Seja Bem Vindo ao site Cheio de Esperança

Saúde emocional para quem lida com tragédias

Rádio Advento | 1:00 PM |

Profissionais que lidam com tragédias e sofrimento humano no dia a dia costumam apresentar muitas razões para que o estresse emocional seja desenvolvido. O contato com situações chocantes, violência e sofrimento humano já é um grande causador de estresse. Somado a isto, existe a pressão de resolver situações que muitas vezes colocam suas próprias vidas em risco.
Realidade
Bombeiros e policiais recebem treinamento para o combate, para confrontos armados; médicos e enfermeiros recebem toda a instrução e preparo técnicos para os procedimentos médicos, emergenciais, cirúrgicos, mas dificilmente recebem um acompanhamento psicológico ao longo do trabalho.
De fato, a estrutura emocional do ser humano é preparada para criar mecanismos de defesa que permitem passar por sofrimentos sem necessariamente surtar. Mas, às vezes os sofrimentos começam a se acumular (principalmente porque profissionais como policiais, bombeiros, enfermeiros, médicos de emergência, e outros lidam com situações estressantes todos os dias). Assim, muitos profissionais devem ficar atentos a alguns sintomas que demonstram que a saúde emocional não está bem.
Que sintomas são estes?
Cada pessoa vai apresentar um tipo de sintoma particular. Mas alguns comportamentos indicadores do estresse podem ser: choro compulsivo, atitudes agressivas e de raiva não justificadas, dificuldade de concentração, sensação de tensão emocional e física, inquietação, incapacidade de relaxar, aumento do consumo de bebidas e fumo, mudanças de hábitos alimentares (para mais ou para menos), alterações do sono (para mais ou para menos), dentre outros.
O que fazer?
O ideal é que o profissional que lida diariamente com tragédias e sofrimentos humanos não espere surgirem os sintomas para buscar ajuda. O correto é que ele tenha um acompanhamento psicológico paralelamente ao seu trabalho para ter um espaço no qual possa falar sobre aquilo que vê e que lida no dia a dia, e suas emoções diante destas questões. Mas, se isto não acontece e os sintomas começam a aparecer, é fundamental que este profissional não “vá empurrando com a barriga” os sofrimentos, mas procure uma ajuda psicológica de imediato.
Via Novo Tempo

Category: