Seja Bem Vindo ao site Cheio de Esperança

Bom o suficiente?

Rádio Advento | 4:30 AM |

Businesswoman with sticky note on foreheadAlguém poderia pensar que o Criador não ficaria facilmente impressionado. Mas alguma coisa nessa mulher Lhe trouxe um brilho aos olhos, e, muito provavelmente, um sorriso ao rosto.
A mulher está desesperada. A sua filha está possuída pelo demônio.
A mulher de Canaã não tem o direito de pedir coisa alguma a Jesus. Não é judia. Não é uma discípula. Não tem dinheiro para oferecer… Mas isso não faz com que ela desista. Insiste em seu pedido.
“Tenha piedade de mim!”
Mateus observa que Jesus nada diz a princípio. Nada. Não abre a boca. Por quê?
Acho que a admirava. Acho que foi bom para seu coração ver um pouco de fé impetuosa, para variar. Acho que foi revigorante ver alguém que Lhe pedia o que Ele veio fazer – conceder grandes dádivas a filhos que não as mereciam.
Que estranho que não Lhe demos a permissão para fazer isso por nós mais frequentemente.
Talvez a resposta mais surpreendente às dádivas de Deus seja nossa relutância em aceita-las. Nós as queremos. Mas sob nossas condições. Por alguma razão estranha, sentimo-nos melhor se as merecermos. Então criamos arcos religiosos e saltamos através deles – ao fazermos de Deus um treinador; de nós, Seus animais amestrados; e da religião, um circo.
A mulher cananéia não era tola. Não tinha um currículo. Não tinha herança. Não tinha diploma. Só sabia de duas coisas: que a sua filha era fraca e que Jesus era forte.
Preferimos obter a salvação à moda antiga: pensamos que a merecemos. Aceitar a graça é admitir o fracasso, um passo que hesitamos em dar. Optamos por impressionar a Deus com o quanto somos bons, ao invés de confessarmos o quanto Ele é grande. Atordoamo-nos com a doutrina. Sobrecarregamo-nos com as regras. Pensamos que Deus sorrirá com os nossos esforços.
Mas isso não acontece.
O sorriso de Deus não é para o atleta saudável que se vangloria de fazer a viagem sozinho. Ao contrário, é para o leproso aleijado que suplica ao Senhor um par de ombros saudáveis que o carreguem. 
 (Escrito por Max Lucado)
Via : Amilton Menezes

Category: