Seja Bem Vindo ao site Cheio de Esperança

Modéstia cristã no púlpito

Rádio Advento | 4:30 AM |


1. O que é o louvor e o que é louvar no púlpito?
2. Alguém pode ser “podado” de ministrar algo no púlpito?
3. O que a maquiagem tem a ver com isso?
Primeiramente precisamos entender que louvar a Deus no púlpito é bem diferente de cantar enquanto damos faxina em casa, ou até mesmo cantar entre a congregação. Nas 3 situações – púlpito, casa e congregação – podemos simplesmente cantar, ou podemos louvar. Mas, mesmo assim, existem diferenças importantes nestas 3 situações, que precisam ser consideradas. O louvor a Deus faz parte da adoração, e só é possível adorar a Deus fazendo Sua vontade. Não podemos oferecer nada a Deus que o desagrade e achar que isso é adoração. O assunto da música como adoração é muito sério, e carece estudo específico, o qual poderemos fazer em outros momentos. O fato é que da mesma forma que Deus não aceitou a oferta de Caim (Gênesis 4), Ele não aceita nenhuma forma de adoração contrária à sua vontade.
Além de não aceitar adoração que contrarie Sua divina vontade, Deus espera atitudes e comportamentos diferentes daqueles que se colocam diante de Seu rebanho como ministros ou mensageiros. “Os escritos de Paulo mostram que o ministro do evangelho deve ser um exemplo das verdades que ensina, “não dando… escândalo em coisa alguma, para que o nosso ministério não seja censurado”.” Atos dos Apóstolos, p. 369. “”Olhai por vós”, advertiu o apóstolo a seus irmãos, “e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que Ele resgatou com Seu próprio sangue.” Atos 20:28. Se os ministros do evangelho mantiverem sempre em mente que estão tratando com a aquisição do sangue de Cristo, terão mais profundo senso da importância de seu trabalho. Devem ter cuidado de si e do rebanho. Seu próprio exemplo deve ilustrar e fortalecer suas instruções. Como ensinadores do caminho da vida, não devem dar ocasião de ser blasfemada a verdade. Como representantes de Cristo, devem manter a honra de Seu nome. Mediante devoção, pureza de vida, pia conversação, devem provar-se dignos de sua alta vocação.” Atos dos Apóstolos, p. 394 e 395
Mas alguém pode dizer: “Karyne, uma coisa é ser ministro, outra coisa é cantar no púlpito”. Muitos pensam assim, mas esse é um pensamento equivocado. Qualquer que se coloque diante do povo de Deus para transmitir Sua mensagem – e a música na Igreja deve ser a mensagem de Deus cantada – assume a posição de ministro e mensageiro do Senhor. Para maior entendimento sobre esse assunto, sugiro a leitura do livro “Música: Sua Influência na Vida do Cristão” (Ellen G. White, Casa Publicadora Brasileira).
Aqui, então, já entendemos o primeiro ponto – louvar a Deus no púlpito é algo que deve ser feito seguindo as instruções divinas deixadas a todo aquele que aceita a obra de transmitir a mensagem de Deus às pessoas. Não é só uma participação especial, mas uma forma de adoração e pregação do evangelho.
Vamos pensar um pouco, agora, na segunda pergunta. Alguém pode ser “podado” de ministrar algo no púlpito? Deus é um Deus de ordem, e Ele nos instrui sobre como devemos nos comportar no serviço de adoração em Sua santa casa. No Antigo Testamento, vemos Deus orientando aqueles que foram escolhidos para ministrar o serviço do Santuário sobre como deviam viver e agir diante do serviço de Deus. Conhecemos bem a história de Nadabe e Abiú, que se tornaram grandes exemplos do que não devemos fazer quanto a ministrarmos os serviços sagrados. “E os filhos de Arão, Nadabe e Abiú, tomaram cada um o seu incensário e puseram neles fogo, e colocaram incenso sobre ele, e ofereceram fogo estranho perante o SENHOR, o que não lhes ordenara.” (Levíticos 10:1). Deus mesmo os “podou” naquele momento. A Bíblia diz que “Então saiu fogo de diante do SENHOR e os consumiu; e morreram perante o SENHOR.”(Levíticos 10:2).
Veja quão forte é essa citação: “Foi vosso caráter transformado? Têm as trevas sido trocadas pela luz, o amor ao pecado, pelo amor à pureza e à santidade? Sois convertidos, vós que vos empenhais em ensinar aos outros a verdade? Houve em vós uma mudança completa, radical? Entretecestes a Cristo em vosso caráter? Não precisais ficar na incerteza quanto a esta questão. Tem-se o Sol da Justiça levantado e brilhado em vossa alma? Se assim é, vós o sabeis; e se não sabeis se sois convertidos ou não, nunca pregueis outro sermão do púlpito até que o saibais. Como podeis guiar almas à fonte da vida da qual vós mesmos não bebestes? Sois um fingido, ou sois realmente um filho de Deus? Servis a Deus ou servis aos ídolos? Fostes transformados pelo Espírito de Deus, ou ainda estais mortos em vossas ofensas e pecados?”Testemunhos para Ministros e Obreiros Evangélicos, p. 440.
Vemos então que não podemos chegar diante de Deus, no púlpito, de qualquer forma para transmitirmos uma mensagem às pessoas que estão ali presentes. Precisamos primeiro ser transformados por Deus e Sua mensagem antes de subir ao púlpito para levá-las a outros. Nossa vida pode ser um grande testemunho contra ou a favor daquilo que pregamos. De igual modo nossa aparência pode auxiliar ou prejudicar a transmissão da mensagem de Deus. Daqueles que prestavam serviço no santuário, era exigido preparo. Não lhes era permitido achegar-se de qualquer forma para efetuar o trabalho da Casa de Deus. Não é diferente conosco. Não devemos chegar de qualquer forma para ministrar qualquer tipo de serviço da Casa de Deus.
Jesus condenou a hipocrisia dos fariseus. Ellen White chamou a atenção de muitos ministros e obreiros quanto ao preparo que deveriam ter antes de ministrarem diante do povo de Deus. Para nós, serve a mesma regra. Não devemos chegar de qualquer modo (seja físico ou espiritual) para a realização de um serviço sagrado. E louvar a Deus no púlpito é um serviço sagrado, que deve ser feito com reverência e preparo físico e espiritual.
Continuando dentro dessa segunda questão e partindo para a terceira, a Divisão Sul Americana da Igreja Adventista do Sétimo Dia, ciente da importância do louvor na adoração, da seriedade com que Deus trata esse assunto, tendo por base as Sagradas Escrituras e o Espírito de Profecia, realizou um voto (voto 2005-116 de 4/5/2005) com orientações em relação à música. Após uma introdução sobre o assunto, o voto apresenta uma relação de requisitos que devem ser observados pelos músicos em seu ministério na Igreja. O sétimo requisito referente ao músico é “Cuida de sua aparência pessoal, refletindo o padrão de modéstia e decência apresentado pela Bíblia.”
Modéstia cristã é um dos princípios que regem a vida daqueles que se dizem seguidores de Cristo. Qualquer cristão deve andar conforme esse princípio, mas de modo especial, aqueles que sobem ao púlpito e se colocam como mensageiros de Deus não devem descuidar. É necessário deixar claro que as normas existentes não têm por objetivo podar as pessoas de participarem dos serviços sagrados, mas sua finalidade é orientá-los sobre como devem agir.
Já discutimos sobre maquiagem em outros momentos aqui. Caso deseje ler a respeito, clique aqui. O fato é que qualquer coisa que seja incoerente com a modéstia cristã não deve estar presente em alguém que suba ao púlpito para ministrar algum serviço. De igual modo, todo restante das orientações divinas sobre a vida do cristão devem ser observados. Como agir então, em relação a uma moça que chega maquiada para cantar, ou com roupa curta, etc..? Com amor!
Para que situações constrangedoras não ocorram, o ideal é que toda orientação seja dada ao músico anteriormente! O ideal seria que tais orientações não precisassem ser dadas, pois conhecedores dos princípios cristãos, temos por obrigação viver de acordo com o que Deus pede (Lucas 17:10). Mas prudência e cuidado com as pessoas nunca é demais! Quando se trata de pessoas, devemos nos lembrar que são importantes para Deus, suas vidas custaram o sangue de Cristo, e nossas ações poderão afetar sua salvação! Tato e amor são necessários para que pessoas não sejam “podadas” mas instruídas sobre como devem se apresentar para ministrarem o louvor. Se não há boa vontade em seguir os princípios, mesmo após orientação, cabe ao responsável pela música prosseguir com novas escolhas para que a Igreja não venha a se escandalizar (Romanos 14:21; I Coríntios 8:13).
Todo princípio divinamente concedido a nós deve ser observado por todo aquele que se diz ser cristão. Por mais que pensemos que “não tem nada a ver”, qualquer coisa que se distancie da vontade de Deus não é adoração, e não deve existir na casa de Deus. A maquiagem pode ser um aspecto bem exposto, a vista de todos, mas além de qualquer coisa que seja claramente exposta, e possa se tornar escândalo ou pedra de tropeço para alguém, o coração deve ser primeiramente examinado, pois, ainda que o homem não saiba o que vai em nosso coração, Deus sonda-nos. Você pode subir ao púlpito para cantar sem maquiagem, mas se no coração houver orgulho, ainda que não escandalize os irmãos, Deus o conhecerá!
Portanto, “Jesus disse aos seus discípulos: É inevitável que aconteçam coisas que levem o povo a tropeçar, mas ai da pessoa por meio de quem elas acontecem” Lucas 17:1. “Examine-se o homem a si mesmo [...]” I Coríntios 11:28.
Fonte : Mulher Adventista

Category: