Seja Bem Vindo ao site Cheio de Esperança

Saúde para os pés

Rádio Advento | 2:30 AM |

Mês passado, recebemos uma pergunta sobre o uso de salto alto. O que você acha? Existe algum problema em usar salto alto?
Particularmente, tenho muita dificuldade em usar salto alto. Se estar bem arrumada dependesse disso, eu estaria bem distante desse padrão! Na verdade, aquela história de que a mulher precisa sofrer para estar bonita não me compra! Não gosto de usar nada que me incomode ou cause dor, simplesmente para estar arrumada, bonita e elegante. Acho muita coisa bonita na vitrine, mas para levar para casa, meus pés precisam primeiro aprovar o conforto que o calçado produz. Então, sou bastante suspeita em responder a pergunta do nosso leitor. Por isso, procurei na ciência humana e nos conselhos divinos algo que pudesse minimamente responder a essa pergunta.
Leia com atenção aos fragmentos da matéria abaixo, retirada de uma revista feminina secular:
A moda contra a anatomia
Qualquer sapato é estranho ao pé, que foi “projetado” para andar descalço. O calçado ideal ainda não existe, mas já há pesquisas que tentam achar a fórmula do modelo totalmente indolor
Sofrer para ficar elegante parece loucura, mas há mulheres que são capazes de suportar horas de dor nos pés só para ficar em cima de um salto alto. “Com os modelos que existem hoje, quem quiser usar salto vai sempre sentir dor”, alerta a ortopedista Cibele Réssio, especialista em pés e tornozelos da Unifesp e autora da tese “A Avaliação Baropodométrica da Influência do Salto Alto em Mulheres”, apresentada em novembro último.
Durante dois anos ela analisou, em São Paulo, mais de 700 pés femininos. Usando um aparelho que mede a pressão na planta dos pés (o baropodômetro), chegou à conclusão de que todo salto alto, independentemente do tamanho ou do formato, muda o modo como a pessoa pisa no chão e se equilibra – quanto maior o salto, menor a superfície de apoio, o que faz com que o peso se concentre nos dedos.
A partir dos resultados obtidos, a idéia de Cibele Réssio é projetar um sapato de salto alto que não provoque nenhum tipo de dor -ela procura parceiros para tocar o projeto.
Pisada diferente
O salto alto provoca uma mudança na musculatura: com o uso constante, os músculos da parte de trás da perna ficam mais curtos e os da frente, mais longos. Para pessoas que já se habituaram ao uso do salto, o desconforto vem na hora de usar um sapato de sola plana, como um tênis. Para se sentir bem sempre, a melhor receita é intercalar o uso de sapatos de salto alto e de sola plana, assim a musculatura da perna fica em um estágio intermediário -quem guarda os saltos apenas para ocasiões especiais geralmente termina a festa carregando os sapatos na mão.
Alguns médicos dizem que andar descalça é a única maneira de evitar dores. “O pé estranha o sapato e precisa se adaptar”, diz o ortopedista Henrique Sodré, professor livre-docente da Unifesp. Os modelos que mais se adaptam aos pés são aqueles com solado plano (como chinelos ou sandálias). Entre os sapatos fechados, os tênis são os campeões do conforto por causa dos solados flexíveis e dos sistemas de amortecimento.
Os problemas
Os sapatos de salto podem causar problemas como tendinite (inflamação do tendão) na perna e dores musculares. Calçados fechados de borracha e outros materiais sintéticos, como o tênis, facilitam o aparecimento de micoses. “O sapato deve ser arejado e não deve ser usado dois dias seguidos, é preciso deixá-lo fora do armário, se possível no sol. Enxugar bem os pés também previne as micoses e o mau cheiro”, ensina a dermatologista Clarisse Zaitz, chefe da clínica de dermatologia da Santa Casa de São Paulo.
Modelos com bico fino facilitam o aparecimento de unhas encravadas -para evitar o problema é preciso cortar a unha de modo a deixá-la quadrada e sem pontas. “Só de olhar para o pé de uma mulher é possível saber que sapato ela usa”, diz a podóloga Aparecida Maria Bombonato, coordenadora do curso de podologia do Senac (SP). Mulheres que abusam do salto alto, por exemplo, têm calos sobre os dedos. E quem só usa sandálias no verão fica com pés ressecados.
O uso constante de sapatos de bico fino ou com salto promove o aparecimento de joanetes (mas a hereditariedade tem um peso maior). Mas hoje existe uma grande variedade de solados, saltos e formato de bicos. Os mais recomendados são os sapatos com saltos e bicos quadrados, por serem mais estáveis e confortáveis. Os solados tipo plataforma também são uma boa opção porque ajudam a manter o equilíbrio mais facilmente. Fuja, ou reserve para ocasiões muito especiais, os sapatos de salto fino ou agulha, que são pouco estáveis e facilitam uma torção.
Fonte: Marie Claire
De acordo com a pesquisa da ortopedista Cibele Réssio, 20% das mulheres sentem dor na hora em que coloca o salto alto, 40% sentem 2 horas depois, 30% sentem 4 horas depois e apenas 10% das mulheres não sentem dor ao usar salto alto mesmo depois de 4 horas.
Como falamos no post “Relação entre saúde física, mental e espiritual – Parte 1“, nosso corpo funciona como um sistema, onde tudo interage. Não podemos pensar que uma dor no pé não irá afetar o restante de nosso corpo, assim como nossa saúde mental e espiritual, pois todos esses aspectos relacionam-se entre si.
A Palavra de Deus diz em I Coríntios 3:16 e 17: “Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós? Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá; porque o templo de Deus, que sois vós, é santo.” O cuidado para com o nosso corpo é assunto sério. Pelo menos Deus leva esse assunto a sério, do contrário, I Coríntios 3:16-17 estaria escrito de outra forma. O pé é parte do corpo, portanto, parte do templo de Deus!
Medite nos seguintes textos de Ellen White sobre saúde e vestuário, e analise a si mesmo e à saúde que você tem conferido aos seus pés e ao seu corpo como um todo.
“Muitos me têm perguntado: Que procedimento devo seguir para preservar minha saúde? Minha resposta é: Deixai de transgredir as leis de vosso ser; deixai de condescender com o apetite depravado; ingeri alimentos simples; vesti-vos de maneira saudável, o que requererá modéstia e simplicidade; trabalhai de forma adequada; e não adoecereis.” Conselhos Sobre Saúde, p. 37
“As mulheres são sujeitas a sérias enfermidades, e seus sofrimentos são grandemente aumentados por sua maneira de vestir. Em lugar de conservar a saúde para as emergências que certamente hão de vir, elas, por seus hábitos errôneos, sacrificam, muitas vezes, não somente a saúde, mas a vida, deixando a seus filhos um legado de sofrimento numa constituição arruinada, em hábitos pervertidos e numa falsa idéia da vida.” A Ciência do Bom Viver, p. 291
“A fim de prover-se do mais saudável vestuário, é preciso estudar cuidadosamente as necessidades de cada parte do corpo. O clima, o ambiente, as condições da saúde, a idade e as ocupações, tudo deve ser considerado. Cada peça de vestuário deve ser facilmente ajustada, não obstruindo nem a circulação do sangue, nem a livre, plena e natural respiração. Cada peça deve ser tão ampla que, ao erguer os braços, a roupa se erga correspondentemente.” A Ciência do Bom Viver, p. 293

Category: