Seja Bem Vindo ao site Cheio de Esperança

Ultrassecreto: Sexo, corrupção e tráfico podem ser causa da renúncia do Papa.

Rádio Advento | 4:30 AM |

Verdade ou mentira?
Verdade ou mentira?

Casos de mau uso de dinheiro, disputas de poder, relações homossexuais e até um plano para revelar a homossexualidade do editor de uma importante publicação católica, fazem parte do conteúdo de um “informe ultrassecreto”, com cerca de 300 páginas, elaborado por três cardeais, em que é denunciada uma suposta trama de corrupção, sexo e tráfico de influências no Vaticano, dentro da Cúria. O documento, que se refere a um suposto “lobby gay” dentro do Vaticano, foi entregue a Bento 16, em dezembro de 2012.  O jornal italiano ”La Reppublica” remete ainda a um escândalo ocorrido em 2010, quando um assessor do papa Bento 16 foi afastado por causa de um escândalo sexual envolvendo prostituição que abalou o Vaticano.
Com o título “Não fornicarás, nem roubarás, os mandamentos violados no informe que sacudiram o Papa”, o jornal sustenta que o ancião cardeal espanhol Herranz, da ordem Opus Dei, ilustrou ao Papa no dia 9 de outubro do ano passado, os “assuntos mais escabrosos” do relatório, em particular a existência de uma “rede transversal unida pela orientação sexual”. Outro grupo é especializado em montar e desmontar carreiras dentro da hierarquia vaticana e outro ainda aproveita para usar recursos multimilionários para seus próprios interesses à sombra da cúpula de “São Pedro” através do Banco do Vaticano, segundo a publicação do “La Reppublica”, repercutida no Brasil pelos sites:folha.com.br | g1.com.br e novotempo.com/novachance Diante da revelações, Bento 16 se convenceu que um sucessor mais jovem, forte e enérgico é o melhor indicado para fazer uma limpeza na instituição milenária e por isso teria decidido deixar o “Trono de Papa”, sustenta a revista “Panorama” e o jornal “La Reppublica”. Agora, vamos estudar um pouco mais a questão da fornicação:
SEXO
Antes de nos determos no tema (sexo antes do casamento), é bom destacarmos que Deus não é contra o prazer sexual. Foi Ele quem fez o sexo e o deu de presente para o ser humano. O problema está quando o sexo é praticado fora do casamento. Quando nos criou, Deus sabia como poderíamos desfrutar plenamente do prazer sexual. Vendo que é dentro de um contexto de profunda intimidade e segurança (só dentro do casamento isto pode ser desfrutado plenamente) que a pessoa pode realizar-se sexualmente, Deus estabeleceu em Sua Lei que as relações sexuais devem ser mantidas após o matrimônio. Veja que Deus sempre sabe o que é melhor para as Suas criaturas! Continuemos em nossa análise:
1) Quando Deus criou Adão e Eva, logo em seguida proferiu a “bênção” sobre o casal; após isto, ambos “se tornaram uma só carne” (Gn 1:27 e 28; 2: 21-24). O sexo faz parte da perfeita criação de Deus, qualificada como sendo “muito bom” (cf. Gn 1:31).
2) As Escrituras condenam a prática do sexo fora do casamento, pois tal atitude não faz parte do plano original de Deus.
“Alguém vai dizer: ‘Eu posso fazer tudo o que quero’. Pode, sim, mas nem tudo é bom para você. Eu poderia dizer: “Posso fazer qualquer coisa.” Mas não vou deixar que nada me escravize. Outro vai dizer: “O alimento existe para o estômago, e o estômago existe para o alimento.” Sim, mas Deus acabará com os dois. O nosso corpo não existe para praticar a imoralidade, mas para servir o Senhor; e o Senhor cuida do nosso corpo. Fujam da imoralidade sexual! Qualquer outro pecado que alguém comete não afeta o corpo, mas a pessoa que comete imoralidade sexual peca contra o seu próprio corpo. Será que vocês não sabem que o corpo de vocês é o templo do Espírito Santo, que vive em vocês e lhes foi dado por Deus? Vocês não pertencem a vocês mesmos, mas a Deus, pois ele os comprou e pagou o preço. Portanto, usem o seu corpo para a glória dele” (1 Co 6:12,13, 18-20 BLH – Bíblia na Linguagem de Hoje)
“Mas eu digo: Já que existe tanta imoralidade sexual, cada homem deve ter a sua própria esposa, e cada mulher, o seu próprio marido” (1 Co 7:2 BLH).
“O que Deus quer de vocês é isto: que sejam completamente dedicados a ele e que fiquem l
ivres da imoralidade” (1 Ts 4:3 BLH – no original, a palavra para imoralidade se refere à fornicação, sexo fora do casamento).
3) O sexo pré-conjugal traz efeitos negativos:
a) Efeitos emocionais negativos (na grande maioria das pessoas): culpa, ciúme, ansiedade, medo de uma gravidez.
b) Problemas de relacionamento: entre os namorados, familiares…
c) Efeitos espirituais: culpa, medo de Deus, ausência de vontade de estudar a Bíblia e orar.
d) Efeitos físicos: aumenta as possibilidades de uma gravidez indesejada e de contrair doenças venéreas (estas considerações foram extraídas e adaptadas do livro Aconselhamento Cristão, de Gary R. Collins – Sociedade Religiosa Edições Vida Nova).
Se, ao nos relacionarmos sexualmente, presenciamos alguns destes efeitos, o mesmo não está nos beneficiando; e isto não é da vontade de Deus. Ele quer que desfrutemos deste presente da melhor maneira. Quando Deus nos ensina a maneira correta de fazer sexo, o faz para nosso próprio bem.
4) A fim de aliviarmos a tensão sexual, a recomendação de Deus é que nos casemos:
“Caso, porém, não se dominem, que se casem; porque é melhor casar do que viver abrasado”(1 Co 7:9) O texto é claro a este respeito, não dá margem para que aliviemos nossos desejos sexuais fora do matrimônio.Isto não indica de forma alguma que a motivação de se casar seja apenas o sexo; cuidado com isto, pois muitos caem nesta cilada!
Assim, vemos que, biblicamente, o sexo deve ser feito apenas no casamento. Praticá-lo de outra forma, constitui-se um pecado sujeito a julgamento (1 Co 6:9-13;18:20; Ef 5:3-7; Cl3:5-6), pois o propósito original de Deus é desvirtuado, trazendo assim prejuízos à felicidade e saúde humana. Há outras razões pelas quais não devemos usufruir a relação sexual antes de casar? Deus criou o sexo para o prazer e intimidade do casal (também com finalidade de procriação), de modo que ambos encontrassem plena satisfação um no outro.  “O sexo é saudável quando você pode conciliar satisfação sexual, integridade, compromisso, bem-estar da outra pessoa e um senso de autoestima e dignidade. E isto só é possível dentro do casamento” (Pastor José Maria, em um de seus artigos para a Revista Adventista), pois no namoro ou noivado não há este compromisso, palavra esta que está quase que totalmente extinta do vocabulário social atualmente.
Temos de ser honestos em reconhecer que não é das coisas mais fáceis ser puro sexualmente, especialmente na sociedade moderna. Todos os dias somos bombardeados pela mídia com cenas de sexo ou abordados a respeito deste assunto. A cultura na qual vivemos, de certo modo, nos influencia muito, inclusive em nossos conceitos. Porém, isto não nos dá a liberdade de transgredirmos as leis de Deus. O cristão é guiado pelo Espírito Santo e não pelas opiniões alheias.
O que fazer? Precisamos aceitar o fato de que não iremos modificar o mundo; ao mesmo tempo, tomar a decisão de não permitirmos que a coletividade nos mude, a ponto de negarmos os princípios divinos. Somente através de uma íntima e ininterrupta comunhão com o Criador poderemos vencer. Também é importante que adotemos corretos padrões de pensamentos (Fp 4:8), e que vigiemos nossos olhos (Jó 31:1; Pv 4:23 e 25). Antes disso, temos de decidir ser puros.
E se alguém errou? Nunca é tarde para recomeçar. Deus perdoa todos os pecados, desde que os confessemos (Sl 32:5; Mq 7:19; 1 Jo 1:7-9). Pelo sacrifício de Jesus, podemos ser purificados e tornados santos, com se nunca tivéssemos errado. Basta ir a Ele, confessar os erros e abandonar o pecado com o auxílio de Seu grandioso poder. Se Ele dá esta nova chance, o pecador deveria perdoar-se a si mesmo; assim, sua vida terá sentido. Jamais nos esqueçamos do amor de nosso Senhor, e de que nosso Criador é o Deus das Novas Oportunidades.
Seja feliz!
J.Washington
Leandro Quadros

Category: