Seja Bem Vindo ao site Cheio de Esperança

Pr, Alejandro Bullón

Daniel Santos | 8:56 AM |


A PRIMEIRA PALAVRA DE JESUS

PR. ALEJANDRO BULLÓN


"O texto para esta mensagem encontra-se no evangelho segundo São Lucas 23:33 e 34: "Quando chegaram ao lugar chamado Calvário, ali O crucificaram, bem como aos malfeitores, um à direita, outro à esquerda. Contudo Jesus dizia: Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. Então, repartindo as vestes dele, lançaram sortes".


Esta é a primeira das sete últimas palavras que Jesus proferiu na cruz do Calvário. Imaginem comigo a cena: Três cruzes se projetam no horizonte. No meio está o Senhor Jesus; do lado direito uma ladrão e do lado esquerdo outro ladrão. Jesus morreu do jeito que sempre viveu. Veio a este mundo para buscar os pecadores. Viveu entre eles para poder alcançá-los, perdoá-los e transformá-los. E quando chegou a hora de morrer, morreu crucificado entre eles. E você pode vê-Lo aí, na hora da agonia.


Quando uma pessoa está para morrer, todos querem ouvir o que ele tem a falar. Jesus pronunciou sete palavras. A primeira, a quarta e a última palavras são orações que Ele dirige a Seu Pai. Ele ora, mantendo comunhão com Aquele de quem veio toda a Sua força para poder viver uma vida vitoriosa nesta terra. Ele começou Seu ministério em oração. E termina Seu ministério também em oração.


Meu amigo, ninguém pode sobreviver vitoriosamente nesta vida se não aprender a viver como Jesus. Dependendo constantemente do Pai, colocando a vida aos pés do Pai, recebendo a força do Pai.


Sabem por que Jesus viveu uma vida vitoriosa nesta Terra? Não porque era Deus. Quando Ele veio a esta Terra Ele fez um pacto com Seu Pai: não usaria Seus poderes divinos sem o consentimento do Pai. Então Ele aprendeu a viver uma vida dependente do Pai. Aí estava o segredo de Sua vitória. Sabe por que nós, às vezes, vivemos vidas derrotadas? Porque não aprendemos a depender do Pai como Jesus fazia.


"Pai" - disse Jesus na hora da morte. Tinha uma coroa de espinhos furando o Seu rosto, mas isso não O impedia de enxergar o amor de Seu Pai. Suas mãos estavam pregadas numa cruz, não podiam mais curar pessoas, mas Ele podia orar. Seus pés não podiam mais andar para alcançar o pecador. Mas isso não O impedia de orar. Seus discípulos O tinham abandonado. Ele não podia mais ensinar-lhes. Mas isso não impedia Jesus de orar.


Ah, queridos, às vezes, quando surgem dificuldades em nossa vida, quando perdemos o emprego ou quando um filho nosso sofre um acidente, o primeiro pensamento que nos assalta é o fato de que talvez Deus nos tenha abandonado. Talvez Deus tenha esquecido de nós. Jesus no meio do sofrimento, da dor, da agonia, da morte, perseguido, caçoado, insultado e sangrando, não permitiu que nada O impedisse de saber que Seu Pai O amava e que olhava para Ele.


Estou falando neste momento para alguém que está desempregado há muito tempo? Você é capaz de enxergar o rosto do Pai apesar de estar passando necessidade? Estou falando neste momento a alguém condenado à morte pela ciência médica? Sua enfermidade não tem mais remédio? Pergunto: Você é capaz de enxergar o rosto de Seu Pai apesar da ciência médica dizer que não há mais remédio para você? Os amigos o rejeitaram? Você foi traído pelas pessoas que mais amava? Todo mundo o abandonou? Sente-se solitário? E apesar disso tudo, é capaz de enxergar o rosto do Pai? Jesus o fez na cruz do Calvário. Sem amigos, abandonado pelos Seus discípulos, odiado pela multidão, castigado pelos soldados, acusado falsamente, crucificado injustamente, ferido, em agonia, era capaz de dizer: Pai, eu não Te vejo; está tudo escuro, mas sei que estás presente. Sei que estás aí. Somos capazes de fazer isto?


Pensemos agora num outro aspecto do texto bíblico. Na hora da agonia Jesus clama a Seu Pai, mas não o faz pedindo ajuda. Se você estivesse condenado à morte por alguma enfermidade, com certeza se ajoelharia para orar e pediria que Deus lhe devolvesse a saúde, não é verdade? Se você estivesse desempregado, oraria a Deus pedindo que lhe desse um novo emprego, não o faria? E se você estivesse na prisão, com certeza pediria que Deus lhe devolvesse a liberdade.


Mas aí estava Jesus cravado numa cruz. Sua primeira palavra podia ter sido: "Pai, tira-me daqui, liberta-me, acalma minha dor". Ou como Pedro quando estava se afundando: "Senhor, salva-me". Mas na hora da agonia Jesus não ora por Ele, ora pelos outros. E não é por Seus amigos ou por Seus familiares ou por cidadãos bons. Sabe por quem ora? Pelos Seus inimigos, por aquele que O esbofeteia, por aquele que prega Suas mãos, por aquele que cospe em Seu rosto, por aquele outro que coloca a coroa de espinhos em Sua fronte. Jesus ora pelos Seus inimigos e pede que Deus lhes perdoe.


Ah, meu amigo, na cruz do Calvário, Jesus vive o que pregou. No sermão do monte, Ele diz: "Perdoai os vossos inimigos". E na cruz Ele vive Sua mensagem. Sai da teologia, da beleza das palavras e entra na realidade do perdão, pratica o que pregou.


Pergunto: Você é capaz de orar pelos seus inimigos? Talvez, se você está vivendo bem, com um bom saldo no banco, com boa saúde, com toda a família unida. Nessas circunstâncias talvez você até se anime a orar pelos seus inimigos. Mas condenado à morte por um câncer, sem um centavo no bolso, com a família feita em pedaços e todo mundo contra você, seria capaz de orar pelos seus inimigos?


Estou falando neste momento a alguém que não é capaz de perdoar alguém que lhe fez mal no passado? Vou mencionar agora porque é necessário perdoar, embora perdoar não seja sempre fácil. Na cruz, Jesus estava sofrendo, o sangue levava Sua vida gota a gota. Abandonado, esquecido pelos amigos, caçoado e insultado pelos inimigos, carregando o pecado de toda a humanidade, Ele experimentava um sofrimento mental, físico e espiritual profundo. E se Ele abrigasse em Seu coração mágoa por aquilo que as pessoas estavam lhe fazendo, o seu sofrimento seria maior. Ao perdoar, Ele não somente estava praticando a teoria de Sua pregação, Ele estava também aliviando a Sua dor. Sabem por quê? Porque o perdão beneficia mais a quem perdoa do que aquele que é perdoado. É isto que você tem que colocar em sua mente. Se por algum motivo não é capaz de perdoar alguém que o traiu, que o machucou, fez algo que marcou terrivelmente sua vida. Se você estiver guardando rancor em seu coração, com certeza não tem paz, vive um inferno cada vez que vê aquela pessoa. Seu espírito se envenena. Você pode estar vivendo um momento feliz, mas quando aparece aquela pessoa, estraga tudo.


Mas você sabia que a outra pessoa não está nem ligando para o que você sente? O único que está sofrendo é você. Então, quando você perdoar, ele não ganha nada, mas você expulsa o veneno de sua vida. O veneno da mágoa não machuca nem um pouquinho seu inimigo, mas perturba a sua vida. O seu coração torna-se um depósito de lixo, porque a mágoa, o ódio, o rancor e o ressentimento, tudo isso é lixo. E quando você consegue olhar para o outro sem sentir mais mágoa, nem rancor, você se liberta. O maior beneficiado pelo perdão é a pessoa que oferece o perdão, não a que o recebe.


Uma família me convidou uma noite para jantar, mas na metade da ceia o pai me levou a um canto e disse:" Pastor, está vendo aquela garota bonita? É a minha filha mais velha. Está fora da igreja e não quer saber mais nada de Jesus. Ela nasceu num lar cristão. Levei-a para a igreja quando era nenezinha e a apresentei ao Senhor. Cresceu na igreja, era ativa, mas um dia alguém a acusou injustamente. Ela nunca fez aquilo de que foi acusada. Mas o pastor não entendeu suas explicações e a disciplinaram. O pastor não dialogou com ela, não ouviu o que ela tinha pra dizer. Simplesmente a disciplinaram. Então ela disse: Pai, eu não fiz nada e me disciplinaram. Nunca vou perdoar esse pastor por ter feito isso comigo. Mas agora, já que fui disciplinada, vou fazer o que nunca fiz, pelo menos para que a disciplina seja justa".


"Então - disse aquele pai - minha filha começou a descer, descer, descer e não posso mais ver a minha filha machucando-se na vida. Ela tem feito coisas terríveis, mas eu sei que tudo isso é rancor e mágoa que ela guarda em seu coração. Pastor, por favor, fale com ela."


Tentei conversar, mas ela não quis ouvir muita coisa. Convidei-a para ir à igreja e ela apareceu lá, talvez por cortesia. Na hora do apelo a vi lutando e chorando sem poder responder ao apelo. O rancor e a mágoa eram muito grandes. Mas na sexta-feira, falei sobre o perdão e disse que a pessoa mais beneficiada com o perdão é a pessoa que perdoa, e não a perdoada. Olhando nos olhos dela, afirmei do púlpito: "Aquela pessoa que foi injusta com você não está mais aqui e nem sequer se lembra que você existe, mas de dia e de noite você está machucada e envenenada por aquele sentimento. O dia que você conseguir perdoar, finalmente se verá livre desse sentimento nocivo que não a deixa ser feliz.


E quando fiz o apelo, aquela garota se levantou e veio à frente, chorando. E suas lágrimas tiravam o lixo que guardava no coração. Por fim, podia dizer: Eu perdôo aquele homem. E o perdoou. E pediu para ser batizada novamente. Estava completamente livre da mágoa. O rancor saíra de seu coração. Era feliz.


Pergunto: Você já perdoou? Estou falando a alguém que não consegue perdoar o marido que a traiu, a mulher que o traiu, o pai que nunca o reconheceu como filho? Já perdoou o filho que jogou na lama o seu nome? O amigo que o traiu? É porventura o seu coração um depósito de lixo que só prejudica você?


O último pensamento do texto que quero analisar hoje é o resultado final da oração de Jesus. Ele orou pelos piores seres humanos que existiam, aqueles que O estavam matando e que não queriam saber nada com Ele. Você pensa que a oração de Jesus não foi respondida? Acompanhe-me esta noite a Jerusalém, 40 dias depois da morte de Jesus.


Pedro está pregando, e aqueles homens que crucificaram Jesus e que desde o ponto de vista humano nunca O aceitaram como Salvador, são tocados pelo Espírito Santo. A oração de Jesus na cruz por Seus inimigos é respondida. Ele orou por Seus inimigos e eles agora são transformados. Imagine aquele que colocou a coroa de espinhos na fronte de Jesus. Imagine-o correndo em direção a Pedro e dizendo:" Eu cravei a coroa na fronte de Jesus. Há perdão para mim?" E Pedro diz:" Arrependei-vos e batizai-vos e vossos pecados serão perdoados". Aquele que pregou as mãos de Jesus corre para Pedro e diz: Eu preguei as Suas mãos. Há perdão para mim? E Pedro diz: Se você está arrependido, há perdão. Aquele que cuspiu no rosto, corre e diz: Eu cuspi em Seu rosto. Há perdão para mim? E Pedro diz: Há sim, se você acreditar no poder salvador dEle. E naquele dia foram batizados 3 mil.


Quarenta dias antes estavam cuspindo em Seu rosto, pregando Suas mãos e Seus pés, insultando-O e xingando-O. Mas Jesus orou por eles e Deus respondeu à oração. Quarenta dias depois aqueles homens foram alcançados pelo evangelho salvador.


Estou pregando para alguém cujo marido ou esposa não quer saber nada de Jesus? Alguém cujo filho está se distanciando de Jesus? Tem você um amigo por quem já orou, orou, e ele continua indiferente com relação a Jesus? Continue orando. Ore pelos piores, ore por aqueles que na sua opinião não têm mais remédio. Se Deus respondeu à oração de Jesus, responderá a sua também e lhe entregará esse marido, essa mulher, esse filho, esse pai, esse amigo para Cristo. Ele o fará. Não perca o ânimo. Continue orando, continue suplicando, continue pedindo. Ele responderá a sua oração.


Minha mãe orou durante 34 anos pedindo que Deus transformasse o coração de meu Pai. Trinta e quatro anos orando por um homem que não queria saber nada de Jesus. E um dia, meu pai me escreveu um bilhete dizendo: "Filho, finalmente aceitei Jesus." E eu tive a alegria de batizar meu próprio pai.


Pergunto: Quanto tempo você está orando por seu filho? Quanto tempo você está orando para que Deus transforme o coração do seu marido? A minha mãe orou 34 anos. Há quanto tempo você está orando para que Deus transforme o coração daquele amigo?


Poderia você neste momento vir comigo à cruz do Calvário e dizer: "Senhor, foi por mim que entraste na agonia. Lá na cruz oraste por mim. Fui eu que te crucifiquei. Lá na cruz oraste por meu pai, por meu filho, por meu marido, por minha esposa. E se 40 dias depois 3 mil pessoas se entregaram a Ti, por que não podes transformar o coração daquela pessoa por quem estou orando?"


E se você sentir que na cruz do Calvário Jesus orou por você, se você quiser reconhecer a Jesus como seu Salvador, se quiser entregar-lhe a vida e aceitar a Palavra de Deus e o plano que Deus tem para a sua vida; se quiser unir-se um dia à Igreja de Deus nesta terra através do santo batismo, se quando Cristo voltar você quiser estar presente vou lhe pedir tome sua decisão agora.

ORAÇÃO


Querido Pai, há muita gente que abriu o coração a Ti esta manhã. Há muita gente que quer perdoar, que está orando por alguma pessoa especial e que precisa da Tua ajuda e de Teu poder. Por favor, vem e responde cada oração. Em nome de Jesus. Amém


A SEGUNDA PALAVRA DE JESUS

PR. ALEJANDRO BULLÓN


"O texto bíblico para a mensagem de hoje. está em São Lucas 23:39-43: "E um dos malfeitores que estavam pendurados blasfemava dele, dizendo: Se tu és o Cristo, salva-te a ti mesmo, e a nós. Respondendo, porém, o outro, repreendia-o, dizendo: Tu nem ainda temes a Deus, estando na mesma condenação? E nós, na verdade, com justiça, porque recebemos o que os nossos feitos mereciam; mas este nenhum mal fez. E disse a Jesus: Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino. E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo hoje que estarás comigo no Paraíso."


Olhemos neste momento para a montanha solitária onde estão cravadas três cruzes. Jesus está no meio. Ao Seu lado, dois ladrões. O Mestre está pregando seu último sermão. Seu púlpito é uma cruz. Seu auditório, apenas duas pessoas: dois homens que nunca quiseram saber nada de Jesus, dois ladrões que rejeitaram muitas vezes o apelo divino e como conseqüência de seus erros, estão aí, pendurados na cruz, esperando a morte.


O primeiro ladrão olha para Jesus e diz: "Se tu és o filho de Deus salva-te e salva-nos." Ele sente que precisa de Jesus. Suspeita que Jesus pode fazer alguma coisa por ele. O problema deste homem é que não sente necessidade espiritual; ele é consciente apenas de sua necessidade física. "Estar pendurado aqui é horrível" - pensa. E logo suplica a Jesus: "Tu tens poder, tira-me daqui, livra-me." Ele não está preocupado em salvação. Ele não quer saber nada de vida eterna. Não está consciente de seu pecado, não está arrependido, não confessa. Ele somente quer alívio da difícil situação em que se encontra.


Este primeiro ladrão nos mostra a realidade de todos os tempos. Milhões e milhões de pessoas seguem a Jesus simplesmente por interesses terrenos. Porque Jesus pode curar ou arrumar um bom emprego, ou porque Ele pode tirar o filho da miséria em que está vivendo ou porque pode trazer o marido ou a mulher de volta. Muita gente não percebe as verdadeiras motivações que tem para seguir a Jesus.


Por que você acha que os movimentos religiosos que mais crescem neste mundo são os que prometem a cura imediata das enfermidades ou um emprego imediato, ou um aumento de salário imediato, ou qualquer outro tipo de solução imediata? Por quê? Este homem do relato bíblico nos apresenta as motivações ocultas que muitas vezes trazemos no coração.


Quero lhe fazer uma pergunta: Qual é a sua motivação para seguir a Jesus? O que você pretende? Está com um câncer e os médicos já lhe disseram que não tem remédio e você crê que talvez uma oração deste pastor pode curar seu mal? É essa a motivação que você tem para seguir a Jesus? Há muito tempo que não consegue emprego e você acha que uma oração feita aqui, talvez possa abrir as portas de um novo emprego? É essa sua motivação para seguir a Jesus?


Pense no raciocínio do primeiro homem na cruz: "Se Tu és o filho de Deus, salva-me. Porque se Tu me salvas, se me tiras da cruz, acreditarei que Tu és filho de Deus. Se Tu me curas saberei que Tu és o filho de Deus. Se Tu me dás um novo emprego saberei que Tu és o filho de Deus. Agora, se Tu não me curas, então qual é o mérito de Te seguir? Eu tenho interesse em Ti, Senhor Jesus, se Tu me tiras da cruz. Eu tenho interesse em Ti se Tu resolves meu problema." Gente sincera - você vê? - pessoas sinceras com motivações erradas. Quer dizer que desejar ser curado está errado? Claro que não. Peça a Deus um milagre. Não tenha medo de fazê-lo. Acredite no poder divino, mas não faça disso a motivação para seguir a Jesus.


O outro ladrão está morrendo, pregado na cruz. Gostaria de ver-se livre da situação, mas sua oração não é somente para sair da cruz. Ele entende que embora o seu problema imediato é estar pregado na cruz, há um problema mais profundo: Ele é um pobre ladrão. Ele percebe que em seu coração está a natureza pecaminosa que o empurrou a vida toda para o pecado. Ele não quer somente ser livrado da situação angustiante da cruz; quer ver-se livre da situação miserável do pecado. Por isso, repreende o seu colega e diz: Este não fez mal nenhum. Nós, com justiça, padecemos porque nós fizemos mal.


Aqui está o primeiro passo que você precisa dar se quer resolver seus problemas: reconheça sua situação, reconheça que seu problema não é apenas estar doente, mas viver separado de Deus; reconheça que seu problema não é apenas a falta de emprego. Seu verdadeiro problema é não ter dado a Jesus o primeiro lugar na sua vida.


O segundo ladrão percebe sua situação, ele reconhece o seu pecado, ele não o esconde, não se justifica, não explica, não argumenta, não joga a culpa nos outros. Ele simplesmente reconhece que sua vida passada esteve cheia de erros porque nasceu e viveu em pecado.


O ser humano de nosso tempo não gosta de aceitar a idéia de que nasceu em pecado e carrega a natureza pecaminosa. Quando peca, tenta explicar: Não, em realidade não era isso. Não é assim como eles dizem, é dessa outra forma. Não é bem isso, é assim.


Meu amigo, o pecado não precisa explicação. Se você quer ser curado do pecado, ele só precisa ser reconhecido. Por favor, não jogue a culpa nos outros: Ah, eu pequei porque estava muito sozinho, porque meu marido me abandonou ou porque minha mulher me abandonou ou porque o meu pai não me compreende; eu estou nas drogas porque ninguém gosta de mim; ou eu bebo porque a sociedade é injusta; ou, sou homossexual por isso; ou eu faço isso por aquilo.


Enquanto você estiver tentando explicar, você não deu o primeiro passo. Se você quer ser curado, verdadeiramente curado, transformado, verdadeiramente transformado, só tem que dar um passo: dizer como o ladrão na cruz: Este não fez nada, mas nós sim, nós merecemos porque nós somos ladrões, nós fizemos mal.


Pergunto: você já reconheceu qual é o seu problema? Talvez o seu problema não seja o dinheiro, não seja a saúde, nem o marido, nem a mulher, nem o filho, nem o pai. Talvez seu problema não seja o chefe, nem a inflação.


Talvez todas essas coisas sejam pretextos para esconder seu verdadeiro problema que tem raízes mais profundas.


Se você tomar consciência de sua situação, se a reconhecer e a aceitar, já deu o primeiro grande passo na recuperação. Mas existe muita gente que apesar de dar este primeiro passo, sente que nada muda. Por quê?


Ao longo de minha vida tenho encontrado muita gente que sofre terrivelmente; e de alguma maneira, depois de tanto golpear-se na vida, reconhece que está errada, mas não dá o segundo passo que é clamar por ajuda. Que teria acontecido com o filho pródigo, se lá no chiqueiro dos porcos, tivesse reconhecido: "Eu estou aqui sofrendo porque fugi do meu pai. Sou um pecador perverso e mereço viver e morrer entre os porcos." Mas se tivesse ficado aí sem pedir ajuda seguramente teria morrido entre os porcos! Mas ele além de reconhecer sua situação, disse: Me levantarei e irei a meu pai. Mas assim mesmo os problemas não acabaram; eles só terminaram quando o jovem se levantou e foi.


Em algum momento temos que parar, reconhecer nossa situação e clamar pedindo ajuda. Fale aí em seu coração com Deus. Fale: "Senhor, o meu problema sou eu, o meu temperamento, o meu caráter, não tenho paciência, explodo por qualquer coisa. Não tenho sabido dominar meu temperamento. Este é meu problema. Meu problema não é meu patrão, nem que os outros tenham oportunidades; meu problema é o meu temperamento. Sou impontual, desorganizado. Este é o meu problema. E eu não tenho forças para sair desta situação sozinho, preciso de Tua ajuda."


Há outro aspecto do texto que gostaria de ressaltar. Aquele segundo ladrão reconheceu Jesus como Rei. Ele disse: "Lembra-te de mim quando entrares no Teu Reino." Não basta aceitar Jesus como Salvador. É preciso também aceitá-Lo como Rei, porque se você O aceitar apenas como Salvador, você estará aceitando unicamente o perdão. E recebendo apenas o perdão, você continuará dominado pelo pecado. E, compreenda isto, por favor: Quando Jesus o perdoa, não perdoa para você continuar derrotado. Quando Ele o perdoa, também o transforma para viver uma vida vitoriosa. Ele é soberano em nossa vida, vitorioso em nossa experiência.


Hoje, o mundo cristão está querendo simplesmente um Salvador; as pessoas parecem não aceitar a Jesus como Rei. O mundo cristão parece querer somente perdão; mas não está disposto a ajustar sua vida à vontade divina, não está querendo reconhecê-Lo como Rei.


Quando Jesus esteve nesta Terra tinha muita gente que O seguia porque curava e fazia milagres. Muita gente seguia o Jesus capaz de multiplicar pães e peixes. Já imaginou se nós tivéssemos um rei capaz de multiplicar pães e peixes, nunca passaríamos fome. Muita gente seguia a Jesus por motivos materiais. Muita gente acreditou no Senhor capaz de ressuscitar Lázaro. Já pensou termos um salvador como Jesus, que ressuscitasse nossos mortos?


Mas o segundo ladrão acreditou em quem? Em um Jesus moribundo, em um Jesus pregado, num Jesus que não fazia milagre nenhum. Suas mãos estavam pregadas, já não podiam curar ninguém. Seus pés estavam pregados, já não podia andar para fazer milagres. Já não podia ensinar porque Seus discípulos O tinham abandonado. Estava na agonia, clamando por um pouco de água. Caçoado, açoitado com uma coroa de espinhos na Sua fronte, agonizante. E aquele ladrão foi capaz de acreditar num Jesus assim, num Jesus que não lhe promete pão, nem peixe, que não lhe promete cura, nada. E o ladrão também não pede nada disso, embora precisasse disso tudo, ele simplesmente pede: Senhor, eu sei que esta vida está acabando para mim, mas eu tenho consciência de uma coisa. Esta vida não é tudo. Há algo além desta vida. O ladrão reconhece que nesta vida não acaba tudo. Quando Cristo voltar começará a verdadeira vida. Por isso ele disse: Lembra-te de mim quando vieres no Teu Reino.


Você já descobriu que esta vida não é tudo? Já entendeu que você não veio a este mundo só para trabalhar, trabalhar, fazer um pouco de dinheiro e gastar? Já entendeu que os 80 anos que vai viver nesta terra não é tudo? Já entendeu que Cristo está voltando e quando Ele voltar virá para estabelecer Seu Reino? Está você pronto para se encontrar com o Seu Rei? Você o aceitou como Salvador e também como Rei? Quais são as motivações que o levam a seguir a Jesus?


Vejam agora a resposta de Jesus a este ladrão. Ele disse: "Em verdade, em verdade te digo. Estarás comigo no paraíso." Percebam queridos, o ladrão somente pede: Lembra-te de mim, nada mais. Mas Jesus lhe diz: Eu te prometo que estarás comigo no paraíso. Nunca mais estarás sozinho, nunca mais abandonado, rejeitado, nunca mais passarás fome, nunca mais um ser querido morrerá. Você estará comigo para sempre, por toda a eternidade.


Você se sente sozinho na vida? Ninguém neste mundo se lembra que você existe? Quer que Jesus se lembre de você? Pois bem, a promessa dEle é muito maior. Ele promete que o levará. Jesus está voltando e naquele dia você nunca mais estará sozinho. Habitará com Ele no Seu Reino celeste. Não haverá mais dor, nem tristeza, nem sofrimento, nem mais angústia, nem mais lágrimas. Você estará para sempre no Reino de Deus.


Está você com um câncer incurável? É possível que você vá descansar em Jesus dentro de poucos meses. Não tenha medo da morte. Olhe para o futuro com fé e descanse em paz. E diga: Senhor Jesus, eu sei que quando acordar e tu estiveres voltando pela segunda vez eu terei um lugar contigo para sempre no Reino dos céus. Não é maravilhosa esta promessa?


É muito fácil prometer cura. Mas Jesus Te promete muito mais do que cura. Ele promete vida eterna. O ladrão só pediu para ser lembrado e Jesus lhe dá a promessa do paraíso. Quando você vai sinceramente a Jesus, levado pelas motivações corretas, com certeza Ele poderá devolver-lhe a saúde; ele poderá dar-lhe um bom emprego; poderá juntar novamente a sua família; Ele tem poder para isso. Mas tudo vai depender das suas motivações. O que é que você está querendo quando segue a Jesus? São suas motivações mesquinhas, egoístas? São seus pedidos de oração somente para que Deus resolva seus problemas agora? ou você está disposto, como o ladrão, a dizer: "Senhor, eu não te peço que me tires da cruz, eu só te peço que te lembres de mim."


Termino a mensagem de hoje dizendo o seguinte: Jesus pregou Seu último sermão lá na cruz e teve dois ouvintes. Um deles buscou a Jesus apenas por motivos egoístas e não conseguiu enxergar a dimensão da bênção espiritual. Fechou seu coração e morreu sem esperança. O outro também queria ser libertado da cruz, mas isso era de menos. Ele enxergou a sua situação miserável de pecador. Ele clamou por perdão. Pediu salvação. Jesus não o tirou da cruz, não o libertou da morte. O ladrão morreu, mas morreu com esperança. E no Reino dos céus você poderá contemplar e conversar com este homem transformado.


Ao longo da história humana sempre houve estes dois tipos de pessoas. Aqueles que dizem "sim" e aqueles que dizem "não". Aqueles que conseguem enxergar o verdadeiro Reino de Deus e aqueles que simplesmente estão pensando em resolver os seus problemas imediatamente e não conseguem enxergar a vida futura. Em que lado está você? Quais são as suas motivações? Um dia quero ir ao Reino dos céus. Quero buscar a casa onde mora o homem que Jesus transformou na cruz. Quero bater à sua porta e dizer: Olá, você poderia me contar a história da cruz? Seguramente que ele dirá: Sim, entra, senta aí. Eu nunca me cansarei de contar aquela história. Aquele dia, na cruz, eu vi o Senhor Jesus agonizante. Sabia que Ele estava sofrendo por mim. Ele não tinha feito nada de mau. Eu sim, minha vida era uma miséria. Ele estava morrendo por mim. E eu consegui enxergar a dimensão do Seu amor. Clamei por Ele e pedi que se lembrasse de mim. E olha, Ele não somente se lembrou, mas me deu a vida eterna." E eu lhe direi: Que maravilha! Você teve a oportunidade de vê-Lo com seus olhos físicos, e de ouvir sua voz. Eu, na Terra, nunca tive a alegria de ver Jesus com os olhos físicos, mas pela fé também enxerguei minha miséria. Também entendi que Ele morreu por mim e O aceitei e Ele me salvou. E serei eternamente grato a Ele porque também me trouxe aqui.


Que grande dia será aquele. Jesus tem um lugar para você naquele Reino. É possível que nesta vida você não consiga tudo aquilo que materialmente você poderia conseguir. Mas Deus tem um lugar preparado para você, se você conseguir enxergar a verdadeira dimensão do amor divino.


Vou pedir a Deus que o ajude a tomar sua decisão.



ORAÇÃO

Querido Pai, louvado seja Teu nome pela salvação. Cria em nós a consciência de nossa verdadeira necessidade e ajuda-nos a correr aos Teus braços em busca da solução real para nossos problemas. Toca a vida de cada pessoa que está diposto a aceitar-Te. Em nome de Jesus. Amém


A TERCEIRA PALAVRA DE JESUS

PR. ALEJANDRO BULLÓN

"O texto para a mensagem de hoje encontra-se em João 19:26 e 27: "Ora Jesus, vendo ali sua mãe, e que o discípulo a quem ele amava estava presente, disse a sua mãe: Mulher, eis aí o teu filho. Depois disse ao discípulo: Eis aí tua mãe. E desde aquela hora o discípulo recebeu Maria em sua casa."


A terceira palavra de Jesus na cruz revela que vida cristã não é somente ir à igreja, ler a Bíblia, fazer oração, e fazer trabalho missionário. Vida cristã é também o cumprimento fiel dos deveres desta vida com a nossa família e com a sociedade.


Cristo cumpriu Seu papel de Filho neste mundo. Ele não foi embora sem assegurar o futuro de Sua mãe. Ele não morreu sem antes ter a certeza de que alguém iria substituí-Lo nas Suas responsabilidades de filho.


O texto bíblico diz que perto da cruz estavam Sua mãe Maria e João, o discípulo que Ele amava. É interessante notar que as duas únicas pessoas, mencionadas por nome na Bíblia, que acompanharam Jesus até o fim, foram a Sua mãe, uma mulher que viveu uma vida de comunhão extraordinária e maravilhosa com o Filho, e João, alguém que sem ter um vínculo familiar, desenvolveu também um companheirismo muito especial com Jesus.


Vamos imaginar um pouco a situação de Maria. Imaginem essa jovenzinha recebendo a visita do anjo anunciando-lhe que ficaria grávida, e que abrigaria em seu ventre o fruto do Espírito Santo. Imaginem seu desespero ao querer que o anjo entendesse que ela não teria como explicar ao mundo essa gravidez estranha. As coisas naquele tempo eram como hoje. Imaginem se hoje alguém aparecesse dizendo que está grávida do Espírito Santo!


Mas Deus tem Seus planos maravilhosos e eles, quase sempre, vão contra tudo aquilo que o homem pensa. Ninguém é capaz de deter as grandes obras de Deus. Você pode até tentar driblar os planos divinos ou caçoar deles, mas Deus os realizará mais cedo ou mais tarde, de um jeito ou de outro, com os homens ou sem eles. No caso de Maria, Deus cumpriu Seu plano.


Jesus cresceu sob o cuidado protetor de Sua mãe. Essa mãe cuidou muito bem de seu Filho e deu o melhor que pôde para ele. Ela sabia que esse Filho teria um fim triste, pois quando ela o levou para o templo pela primeira vez, Simão profetizou Seu fim.


Imagine agora, amigo, Maria olhando para Jesus que estava pendurado numa cruz junto com dois ladrões. Aquelas mãozinhas que a virgem Maria segurou, agora estão pregadas na cruz do Calvário e o sangue pinga lentamente dos furos que os pregos fizeram. Aqueles pezinhos que ela tantas vezes ensinou a andar nos caminhos de Deus, agora estão pregados lá na cruz do Calvário. Aquela fronte que ela beijou carinhosamente tantas vezes, agora estava alí, furada por uma coroa de espinhos. Ali estava a mãe acompanhando seu filho até o fim.


Todos tinham abandonado o Senhor. Seus discípulos tinham ido embora; a multidão caçoava dEle, os soldados riam de sua situação, os sacerdotes o acusavam, mas a mãe permanecia perto da cruz.


Queridos, o amor dos pais é um amor mal-compreendido. Esse amor nada espera. E porque talvez nada espera, nada cobra. É porém, geralmente, mal-compreendido.


Quero neste momento falar principalmente aos jovens.


Há coisas que vocês só entenderão no momento em que alguém colocar em suas mãos um pedacinho de ser humano e lhe disser: Esse é seu filho. Quando você tomar em seus braços esse ser, carne da sua carne, sangue do seu sangue, aí então, talvez, você entenda muita coisa que hoje você não compreende.


Outro dia recebi a visita de uma garotinha de 13 anos que estava querendo fugir de casa. Perguntei-lhe por que queria fazer isso. "-Para onde você irá?" Indaguei. E ela me respondeu: "-Não importa onde irei. Qualquer lugar vai ser melhor do que a minha casa. Meus pais não me compreendem, não acreditam em mim. Todos os pais acreditam em seus filhos, menos os meus. Eles não confiam em mim."


Pedi que ela me explicasse melhor o que estava dizendo. E ela disse que sábado à noite foi a uma festinha de aniversário de uma coleguinha e disse para os pais que chegaria às 11:00 da noite. Acontece que depois da festinha a turminha decidiu fazer outro programa e ir para outro lugar. E ela pensou: Vou? Não vou? E finalmente decidiu. Na idade dos 13, 14 anos, os amigos são mais importantes que qualquer coisa, não é assim que pensam os jovens? O que os amigos pensam a nosso respeito é muito mais importante do que Deus pensa de nós, do que os pais pensam de nós. Vivemos em função dos outros colegas.


Bem, não avisaram ao pai, não avisaram à mãe e todos foram para outro lugar. Ninguém sabia onde eles tinham ido.


O pai ligou às 11 da noite para a casa do aniversariante e alguém lhe disse: "-Ela já saiu." Então, o pai esperou até uma hora, duas horas da manhã e a filha não chegou. Três horas da manhã e a filha não apareceu. Quatro horas da manhã e nada! Quando ela chegou 4:30 da manhã, o pai e a mãe estavam na sala, andando de um lado para o outro, desesperados, sem saber mais o que fazer. E quando a garota abriu a porta, o pai quase gritando disse: "-Isto são horas de chegar? Por que você não me avisou?" A menina não saiu no domingo para outro compromisso que tinha com os amigos.


Agora, ali na minha frente, ela estava dizendo que ia embora, que qualquer lugar era melhor que seu lar porque seus pais não acreditavam nem confiavam nela. Todas as suas amiguinhas chegaram em casa e os pais estavam dormindo tranqüilos, porque "confiam nos filhos"; mas como os pais dela não confiam, estavam acordados até 4:30 da manhã!


Queridos, quer dizer que para que a filha saiba que o pai acredita nela, é preciso que o pai tenha um coração de pedra e esteja dormindo às 4:30 da manhã, enquanto sua filha está fora numa cidade como São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Curitiba, Belo Horizonte, ou outra qualquer cidade do mundo por aí?


Você não acha que às vezes somos injustos com os pais? O pai geralmente sonha para si mesmo, mas quando nasce o filho, para de sonhar para si e começa a sonhar para ele.


Você não acha que às vezes somos injustos com os pais? Os pais deixam muitas vezes de fazer certas coisas que gostam para fazer coisas que os filhos gostam. As vezes passam por dificuldades porque querem dar o melhor para seus filhos: a melhor escola, a melhor roupa, o melhor calçado, o melhor alimento. E, queridos jovens, eles fazem tudo isso com muita alegria porque o sonho do pai é você.


Neste momento eu gostaria de dizer que se você tem um pai vivo, ou uma mãe viva, pegue um papel e uma caneta e escreva uma carta. Talvez a única coisa que seus pais esperam de você, é que você diga: "-Mãe, eu te amo!" Mais nada. Isso compensa tudo. Isso paga qualquer sacrifício. Os pais nunca estão esperando nada. Eles não o educaram para que quando você crescesse os sustentasse. Nenhum pai faz isso. Eles simplesmente serão felizes se você crescer e for feliz. Talvez tudo o que esperam é que você simplesmente diga: "-Pai, eu reconheço e te amo por isso. Obrigado!" E mais nada.


Voltemos os olhos ao Calvário. Ali, perto da cruz estava a mãe de Jesus. Do outro lado, o discípulo amado, o único que ficou perto de


Jesus até o fim.


Porque você acha que ele foi o único discípulo que não abandonou seu Mestre? Jesus teve doze discípulos. Os doze mantiveram comunhão com Jesus, só que onze deles se limitaram a uma comunhão quase formal: eram bons membros de igreja, viviam vidas maravilhosas de obediência, mas, era só!


João era diferente. Ele saía da mediocridade, da monotonia, da rotina. João não se contentava em apenas ser um bom membro de igreja ou cumprir o mínimo indispensável. João ia além. Não estava satisfeito se não encostava a cabeça no coração de Jesus. Ele tentava viver uma experiência pessoal, especial, diferente com o Mestre.


Conheço um pastor que sempre me intrigou. Não por algo ruim, mas por algo muito bom. Cada vez que o vejo me dá a impressão de que estou vendo o Senhor Jesus. Ele nunca foi Presidente de nada, nem sequer é pastor de alguma igreja grande. Nunca fez mestrado nem o enviaram para o estrangeiro. Ele é o típico pastor de uma igreja de interior. Já se aposentou depois de 40 anos de ministério!


Um dia, eu estava vivendo um momento muito difícil na minha vida, e precisava conversar com um pastor. Precisava abrir meu coração. E pensei: "-Aonde vou? Falo com quem? Procuro quem?" Há momentos em que um pastor também precisa de um pastor. Chegara o meu momento. A quem procurar?


De repente, por algum motivo, aquele pastor apareceu na minha mente. Conversamos meio dia e realmente não fiquei desapontado. Precisava ouvir o que aquele homem disse para mim, e de repente, depois de conversar, percebi que estava me afogando num copo de água. As palavras dele foram sábias. Evidentemente era um homem que tinha uma vida de comunhão maravilhosa com Deus.


Ao despedir-me dele, apertei sua mão e disse: "-Pastor, sempre notei algo especial em sua vida. Sabe porque eu vim falar com o senhor? Porque o senhor sempre me inspirou algo bonito. Perdoe-me o que vou lhe dizer: Mas cada vez que aperto a sua mão tenho a impressão que estou apertando a mão de Jesus. Eu acho que Jesus olhava do jeito que o senhor olha, que Jesus falava do jeito que o senhor fala. Agora me diga: Qual é o segredo? Por que o senhor é assim? O senhor foi pastor durante 40 anos. Se aposentou e não tem uma palavra de crítica para ninguém, não tem uma palavra de insatisfação, o senhor nunca se sentiu injustiçado. Qual é o segredo?"


E ele me disse: "-Não sei filho, não sei do que você está falando. Eu simplesmente sou assim." Eu continuei: "-Vou fazer-lhe outra pergunta: Quanto tempo o senhor passa cada dia em comunhão direta com Jesus?" Ele respondeu: "-Não sei, talvez 6 ou 7 horas. Por que?"


Ali estava o segredo da vida poderosa daquele homem.


João tinha descoberto esse segredo. Por isso, saiu da monotonia da comunhão distante, encostou a cabeça no coração de Jesus. E quando as provações chegaram, os onze bons membros de igreja foram embora. O único que permaneceu fiel até a morte foi o discípulo amado, aquele que saiu da rotina da vida.


E agora Jesus olha para João e Maria e diz: "-João, eis aí a tua mãe. Maria, eis aí o teu filho." Quero fechar os olhos com a certeza de que você, João, irá cuidar da minha mãe. Quando Jesus disse para João: eis aí a tua mãe, em outras palavras estava dizendo: "-João, por favor, ocupe meu lugar. Eu estou partindo. Faça o que Eu teria que fazer: cuide da minha mãe. Faça as minhas obras, faça a minha vontade. Ande nos meus caminhos, ande como Eu andaria, faça como Eu faria, viva como Eu viveria, tome o Meu lugar."


Querido, esse é o grande encargo de Jesus para nós hoje. "Filho, tome o meu lugar, fale as minhas palavras, realize os meus atos,


viva a minha vida."


Há um pintor que pintou o quadro de Maria, João e Cristo de uma maneira extraordinária. A cruz do Calvário ao fundo. Jesus está ali agonizando, praticamente já sem vida, as sombras da noite começaram a tomar conta do lugar e João, segurando Maria pela mão, leva-a consigo para cumprir o encargo que Jesus lhe deixou. Na outra mão de Maria há algo que ela guarda com muito cuidado. O que é isso? O pintor colocou na outra mão da Maria a coroa de espinhos que furou a fronte de Jesus. Aquele pintor deve ter imaginado aquele quadro, mas é justamente o que Jesus quer fazer por nós.


Queridos, Ele nos deixou uma missão: cuidar de tanta gente desesperada que vive neste mundo. O cumprimento da missão tem


resultados maravilhosos.


Conheço um pastor, colega meu no Peru. Ele tomou a missão em suas mãos e saiu visitando as prisões. Naquela ocasião, numa das prisões no Peru, estava preso um homem que o país inteiro queria ver morto. Tinha entrado uma noite na casa de uma família. Amarrou o marido e os filhos e na presença de todos eles, estuprou a mulher. Depois, matou a mulher, o marido e os filhos.


A polícia prendeu aquela fera humana. Em meu país existe a pena de morte. Quem mata dessa maneira só pode morrer. Esse homem foi condenado à morte. O país todo, a uma só voz gritava: "Esse homem tem que morrer. Ele não merece mais continuar vivendo." Acontece que os advogados deste criminoso apelaram. Apelaram para a Câmara de Deputados, para a Câmara de senadores, apelaram para o Presidente da República. Ninguém atendia à apelação. Os meses iam-se passando. Apelaram até para o Papa, tentando salvar a vida deste marginal. Mas o País todo, como um só homem, clamava: "Esse homem tem que morrer."


Nesse ínterim, meu colega, o pastor Iturrieta, cumprindo o mandato de Jesus: "Quem faz a um pequenino, está fazendo a mim," visitou as prisões e conheceu de perto este homem. Ele não queria saber de Jesus. Ele não queria saber de Deus. Ele não queria saber da Bíblia. Mas o pastor Iturrieta tinha um jeito especial de falar de Jesus e cativou o coração daquele marginal. Em pouco tempo, este homem reconheceu a perversidade de sua vida, reconheceu a imundícia de sua atitude, o horrendo ato que tinha cometido e caiu ajoelhado ao lado do pastor Iturrieta dizendo: "-Pastor, eu não posso mais corrigir o que fiz; eu não posso mais remediar nada. Como fui capaz de fazer algo assim?" De repente, Deus tirou de seus olhos uma venda e ele enxergou a malignidade do seu pecado. Ele se agarrou em Jesus Cristo, acreditou na salvação e entregou a sua vida a Ele.


O pastor Iturrieta pediu licença às autoridades para batizá-lo dentro da prisão. Foi manchete em todos os jornais peruanos. O famoso assassino foi batizado como membro da Igreja Adventista na prisão. Isso levantou polêmicas na televisão, nas rádios e nos jornais. Todo mundo começou a fazer foruns de discussão. Muitos diziam: "-Claro, agora está fazendo isso para tentar ganhar a opinião pública porque sabe que a morte está chegando para ele. Que conversão é essa, depois de tudo o que fez? Agora que não pode fugir, agora que a morte está chegando, isso não é conversão! A igreja não deveria se prestar a esse papel."


Finalmente chegou o dia da execução. Ele foi levado num barquinho a uma ilha. Só o acompanhavam os seis soldados que iam atirar nele. Cinco deles tinham balas de verdade. Um deles, bala de festim. Dessa maneira, cada soldado tinha a possibilidade de não ter sido ele quem matou, para poder ficar com a consciência tranqüila. Outra pessoa que acompanharia o processo de execução, era a autoridade judicial. E finalmente, o assistente espiritual, que neste caso era o pastor da Igreja Adventista. E ele conta a experiência.


Em sua última noite na prisão, aquele homem passou a noite toda cantando. Os outros presos diziam: "-Você não tem medo de morrer?" Ao que ele respondia: "-Não, não tenho medo de morrer. Eu mereço morrer. Eu só sinto porque minha morte não pode devolver a vida às pessoas que eu matei. Mas morro feliz porque de alguma maneira Jesus me encontrou aqui, me transformou e me perdoou. Amanhã vou morrer, mas ressuscitarei quando Cristo voltar. Vou para o momento final levando esperança em meu coração."


Às seis da manhã colocaram-no no barquinho e levaram-no para a ilha. Quando o sol estava saindo, amarraram-no num poste para ser fuzilado. Os soldados se colocaram a postos para atirar. Pediram para ele expressar seu último desejo. E ele disse: "-Tenho dois pedidos: Eu quero morrer sem vendas nos olhos e por favor, deixem-me cantar um hino. Quero morrer depois de cantar." As autoridades permitiram que ele cantasse.


Meu amigo, a morte de Cristo teve um propósito: Dar esperança ao desesperado, dizer a ele que nem tudo está perdido, que hoje é um novo dia para recomeçar, que hoje você pode estender a mão e segurar Seu braço poderoso.


Aquele homem o fez. Você o conhecerá um dia, quando Cristo voltar. Ele lhe contará como fechou os olhos sem medo da morte. Triste pelo que havia feito, mas feliz porque tinha conhecido a Jesus.


Ele cantou as duas primeiras estrofes, mas quando começou a cantar a última, foi fuzilado.


Eu gostaria de convidá-lo a aceitar Jesus como seu Salvador agora. Abra seu coração.

ORAÇÃO

Querido Pai, na cruz do Calvário, Jesus cumpriu Seu papel de filho, ensinando aos cristãos que cristianismo não é somente dedicar-se às coisas espirituais. O verdadeiro cristão cumpre com suas responsabilidades. Ele foi um bom filho até o fim e na cruz, confiou o cuidado de Sua mãe a um discípulo que viveu uma vida maravilhosa de comunhão com Ele. Hoje, Ele nos confia a mesma missão. Nos diz: "Filho, ocupa meu lugar. Fala as minhas palavras, vive a minha vida, faz as minhas obras. Aqui estão as pessoas recebendo a missão e dizendo: "Senhor, estou pronto a cumprir o Teu plano para a minha vida". Obrigado por isso, Pai. Em nome de Jesus. Amém.


A QUARTA PALAVRA DE JESUS

PR. ALEJANDRO BULLÓN

"O texto para a mensagem de hoje está no evangelho segundo São Mateus capítulo 27,versículo 46.


Por volta da hora nona, clamou Jesus em alta voz, dizendo: Eli, Eli, lemá sabactâni, que quer dizer: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? E alguns dos que ali estavam, ouvindo isto, diziam: Ele chama por Elias. E logo um deles correu a buscar uma esponja, e, tendo-a embebido de vinagre e colocado na ponta de um caniço, deu-lhe a beber. Os outros, porém, diziam: Deixa, vejamos se Elias vem salvá-lo." (Mateus 27:46 a 49).


O texto que acabo de ler, relata o momento mais doloroso na vida de Cristo. Pregado na cruz e impossibilitado de se mexer, estava aí pagando o preço de nossa culpa.


"Deus meu, Deus meu, por que me
desamparaste?" Alguns comentadores bíblicos dizem que na agonia, Jesus começou a delirar e não sabia o que estava falando. Outros argumentam que o sofrimento físico era tão grande que aquela exclamação de abandono foi, praticamente, arrancada de seus lábios por causa da dor.


Pessoalmente não concordo com essas duas maneiras de interpretar o clamor de Jesus. Primeiro porque Jesus esteve consciente até o último minuto de sua vida. Tanto assim que depois, Ele disse, "Está completo o trabalho da salvação", "está consumado". Ele estava plenamente consciente, não delirava.


Em segundo lugar: é verdade que o sofrimento físico era terrível, mas mesmo assim em sua mente não existia a menor dúvida de que estava chegando ao sacrifício para salvar aquilo que Ele mais amava neste mundo: o ser humano. Sendo assim, a idéia de salvar o homem sublimava o sofrimento. A expressão de abandono não foi arrancada de seus lábios pela dor, embora a dor física estivesse bem presente na cruz.


Mas então, o que significa aquele clamor de abandono? Pergunto de outra maneira. Pode Deus abandonar seus filhos no momento em que eles mais precisam dEle? E se a vida de Jesus foi uma vida de permanente comunhão com seu Pai, por que Deus O abandonaria na hora mais difícil? Ele não abandonou o povo de Israel quando estava diante do mar vermelho. Não abandonou os três jovens hebreus na fornalha ardente. Não abandonou a Daniel na cova dos leões. Ele promete que nunca nos abandonará, que nunca nos deixará. Ele diz até que uma mãe pode se esquecer do filho que deu à luz, mas Deus nunca se esquecerá de nós. Como é então que, no momento mais crítico, o Pai se esquece de Jesus? Em que sentido Deus se afastou do Filho? Vamos tentar explicar este assunto.


Primeiro: essa expressão "Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?" é uma expressão que está registrada no Salmo 22, versículo 1. Jesus deve ter aprendido o Salmo 22 quando era criança. De certa maneira, o Salmo 22 era uma profecia do que aconteceria na cruz do calvário. Este Salmo começa assim: "Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?" (Salmo 22:1)


O versículo 2 apresenta outro clamor de tristeza e solidão do salmista; e o versículo 3 explica:"Contudo tu és santo..."(Salmo 22:3)


Quer dizer que Deus abandonou seu Filho porque Deus é santo? Se você ler Habacuque capítulo 1, versículo 13 talvez entenda melhor o que estou dizendo. Esse verso diz assim: "Tu és tão puro de olhos, que não podes ver o mal, e a opressão não podes contemplar..." (Habacuque 1:13)


Agora juntemos as peças para formar o quadro. Antes de mais nada, é preciso saber que na cruz do calvário o Senhor Jesus estava pagando o preço do pecado. Do pecado de quem? Do seu, do meu, do pecado de todos os seres humanos de todos os tempos; todos os pecados havidos e por haver, todos os pecados imaginados, todos os pecados acontecidos ao longo da história desde o primeiro pecado de Adão e Eva, até o último pecado que neste momento está sendo cometido. Todos os pecados; os que serão cometidos amanhã e depois de amanhã; todos os pecados de todos os tempos, de todos os homens foram depositados nos ombros do Senhor Jesus quando morreu na cruz. E Habacuque 1:13 disse: "Tu és tão puro de olhos, que não podes ver o mal, e a opressão não podes contemplar..."( Habacuque 1:13)


Meu amigo, o mais terrível do pecado é a separação que ele provoca entre o Criador e a criatura. O mais terrível do pecado está retratado na cruz. O pecado separou Deus, o Pai, de Deus, o Filho. Os olhos do Pai são tão puros que não podiam contemplar a iniqüidade. "Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste"? "Porque tu és santo", é a resposta que Ele mesmo dá. O pior do pecado não é o ato em si, o perverso do pecado é a separação que ele provoca entre Deus e a criatura.


Qual é o conceito que temos do pecado? O que é pecado? Por favor, não me digam que o pecado é a transgressão da lei, porque a Bíblia não diz isso. O que a Bíblia afirma em 1 João 3, verso 4 é o seguinte: "Todo aquele que pratica o pecado, também transgride a lei: porque o pecado é a transgressão da lei".(1 João 3:4)


Todo aquele que comete pecado também infringi a lei. Também. Se eu digo: Senhores, eu estou hoje também com paletó, quer dizer que antes de estar com paletó eu estou com camisa, por exemplo. E se o texto bíblico diz: "Todo aquele que comete pecado também infringi a lei", quer dizer que o pecado antes de ser transgressão da lei é outra coisa. O pecado não é somente transgressão da lei. O pecado é algo mais profundo.


Para explicar isto, eu quero convidar-lhes a fazer uma lista de pecados: matar, roubar, mentir, adulterar, cobiçar, desonrar o pai e a mãe, enfim. Nós podemos fazer uma lista enorme de pecados. E o que diriam vocês se eu lhes dissesse que tudo isto, matar, roubar, mentir, adulterar, tudo isto não é pecado? O que me diriam? Pensariam que estou apresentando uma heresia? Então, não o direi. Deixarei que S. Paulo o diga. Aqui na epístola que São Paulo escreveu aos Gálatas no capítulo 5, versículo 19, vejam o que está escrito: "Ora, as obras da carne são conhecidas..." (Gálatas 5:19)


Outras versões da Bíblia dizem: "Porque as obras da carne são manifestas..." Estar no pecado é estar na carne; estar na carne é estar no pecado. E Paulo diz que: o fruto de estar no pecado, os resultados, as consequência são as seguintes. Escutem o que diz em Gálatas 5, versos 19 a 21:


"Ora, as obras da carne são conhecidas, e são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissenções, facções, invejas, bebedices, glutonarias..." (Gálatas 5:19 a 21)


Tudo isto, diz Paulo, é o fruto do pecado.


Amigos, entendam bem; o ser humano não é pecador porque mata, não! O ser humano mata porque é pecador. O problema do ser humano não é que matou, e porque matou, se tornou um pecador. Não! O ser humano é um pecador, e porque é um pecador acaba matando, roubando, mentindo, adulterando...


Se o ser humano não fosse um pecador não faria nada disso porque essas são as obras do pecado, os frutos, o resultado do pecado. Mas nós, seres humanos, somos muito superficiais em nossa maneira de encarar a vida. Estamos somente preocupados em não matar, não roubar, não adulterar, não mentir. Estamos somente preocupados em corrigir os frutos, e não o verdadeiro problema do pecado.


Vou fazer uma ilustração. Vamos dizer que eu tivesse um pomar aqui e não quisesse que meu pomar produzisse laranjas. Só que, bem no centro do meu pomar há um pé de laranja. Que deveria fazer para que meu pomar não produzisse laranjas?


Há dois caminhos: o primeiro é pegar um facão e ficar montando guarda dia e noite embaixo do pé de laranja. No momento que aparecer uma laranja, a corto, aparece outra laranja, também a corto. Só que vou descobrir que enquanto estou cortando esta laranja aparecem duas lá em cima; aí subo para cortar essas e enquanto isso aparecem aqui embaixo mais quatro laranjas. Corro para cortar estas e cada vez aparecem mais e mais laranjas; e eu corto aqui, lá e acolá e não acabam nunca; e um dia me canso e digo: é impossível acabar com as laranjas.


Tem muita gente hoje que diz que é impossível guardar os mandamentos de Deus; é impossível viver sem matar, sem roubar, sem mentir, sem adulterar; é impossível. Claro, estamos querendo que o pomar não produza laranjas cortando laranjas? Mas há outra maneira mais inteligente de acabar com as laranjas. Em lugar de estar cortando laranjas, faço o quê? Arranco o pé de laranja. E aí se acabam as laranjas.


Amigos queridos, o pecado é o pé de laranja, e os atos pecaminosos, roubar, matar, mentir, tudo isso, são as laranjas. Nós não podemos concentrar a nossa atenção simplesmente em cortar laranjas, temos que arrancar o pé de laranja. Temos que resolver o problema do pecado; não somente as consequências do problema.


O verdadeiro cristianismo não é apenas casca. O cristianismo não é superficialidade. O cristianismo não é fachada. Jesus não veio para que os homens tivessem uma fachada bonita de homens morais, corretos e bons cidadãos. Jesus veio para transformar o coração, para limpar a mente, para corrigir o pecado de dentro para fora, não simplesmente para corrigir por fora, porque Jesus sabia que transformando o coração e a mente, os hábitos externos também seriam bons.


E agora vem a pergunta: Pastor, e se matar, roubar, mentir, adulterar é fruto do pecado, diga-me então, o que é pecado? É muito simples, se um homem é justo é porque está em Jesus, que é a Pessoa Justiça. Em que momento o ser humano se torna pecador? Quando ele se afasta de Jesus, que é a Pessoa Justiça. O ser humano somente é justo quando está ligado a Jesus, quando está vivendo em comunhão com Ele, vinte e quatro horas por dia com Jesus, em comunhão íntima com Ele. No momento em que o ser humano se afasta de Jesus, se torna um pecador.


Quem é pecador? Pecador é aquele que está separado de Jesus. Porque pecado é separação de Deus. Na cruz, Jesus carregava o pecado de toda humanidade e Ele disse: "Por que me desamparaste?" "Por que não consigo ver? Há uma parede divisória entre mim e ti."


Pecado é isso: separação de Deus. E um homem é pecador porque se afasta de Deus. Mas, existem dois tipos de pecadores: os pecadores que com um pouco de força de vontade não matam, não roubam, não mentem e guardam os dez mandamentos ao pé da letra. Querem um exemplo? O jovem rico. Ele é o típico exemplo do pecador que guardava os dez mandamentos e tinha uma vida moral correta.


Tem muita gente que pensa que porque guarda os mandamentos já está salvo. Queridos, é possível guardar mandamentos e estar completamente perdido. O jovem rico é um exemplo disso.


O outro tipo de pecador é aquele que vive uma vida moralmente errada e quebranta todos os mandamentos de Deus. Quer um exemplo? A Maria Madalena. Mas se eu colocasse diante de você a Maria Madalena e o jovem rico você pensaria que o jovem rico estava salvo e que a Maria Madalena estava perdida. Só que diante de Deus, ambos estavam perdidos porque ambos estavam separados de Deus.


Amigo querido, quando Jesus veio a este mundo, não veio somente para nos ensinar a guardar mandamentos, Ele veio para nos reconciliar com o Pai, para trazer-nos de volta. E o propósito da religião verdadeira e autêntica, é justamente religar. Daí vem a palavra religião. Religião não é vestir a camiseta de uma igreja, não! Religião é voltar à Jesus. Religar-se com Deus. Aprender a viver com Jesus vinte e quatro horas por dia. E o dia que você aprender a viver com Ele verá como sua vida vai ter outra dimensão completamente diferente, e acabará fazendo a vontade de Deus.


Você pode estar perguntando, Pastor, como se pode viver com Jesus vinte e quatro horas por dia? E a que horas a gente come, trabalha ou dorme? Aí está o assunto: cristianismo não é ir à igreja uma vez por semana, no domingo, ou sábado, não! Cristianismo não é simplesmente carregar a Bíblia, para que todo mundo veja, não! Cristianismo não é estudar minha Bíblia de vez em quando. Cristianismo não é somento orar de manhã e orar à noite, não! Isso tudo pode ser uma parte do cristianismo. Mas cristianismo é companheirismo permanente com Jesus vinte e quatro horas por dia.


Levantar com Jesus, escovar os dentes com Jesus, lavar o rosto com Jesus, tomar café da manhã com Jesus, entrar no ônibus com Jesus, ir ao trabalho com Ele, trabalhar com Ele. Comprar, vender com Jesus, estudar com Jesus, namorar com Jesus, entrar e sair da loja com Jesus, assinar o cheque com Jesus, viver vinte e quatro horas por dia com Jesus, chegar à noite, tomar banho, deitar e dormir nos braços de Jesus. Isso é cristianismo.


Agora diga-me algo: Por que você de repente descobre um cristão que vai à igreja, que estuda a Bíblia, mas dá calote em todo mundo? Porque ele nunca entendeu o que é vida cristã; ele pensa que é cristão somente porque se batizou numa igreja.


Por que você encontra por aí um cristão que estuda a Bíblia, mas vive brigando com todo mundo? Por que você acha cristãos que são patrões injustos com seus trabalhadores? Ou empregados negligentes para seus patrões. Por quê? Porque não entendeu o que é a vida cristã. Você acha que se Jesus estivesse ao meu lado, seria desonesto em meus negócios?


Sabe do que está precisando este mundo? De que Jesus entre e revolucione a vida; é de que eu entenda que cristianismo é viver com ele vinte e quatro horas por dia.


Quero que saiba de algo importante: seu problema não é o homossexualismo, nem a droga, nem o caráter. Isso tudo é o fruto de seu problema. O seu problema é que você está longe de Jesus.


Então venha a Jesus, assim como estiver, abra-lhe o coração e entregue-lhe a vida.

ORAÇÃO

Querido Pai, na cruz foi revelado a faceta mais perversa do pecado. Teu querido filho, que por amor a nós assumiu nossas falhas e sentiu a separação que o pecado provoca entre o Criador e a criatura. O resultado é triste, é a solidão, a tristeza e a miséria que consome nosso coração. Mas aqui estamos, suplicando-Te que nos recebas de volta e que habites em nós. Aceita-nos Senhor, em nome de Jesus, amém.


A QUINTA PALAVRA DE JESUS

PR. ALEJANDRO BULLÓN


"O texto para a mensagem de hoje está no Evangelho segundo São João 19:28 e 29: "Depois, vendo Jesus que tudo já estava consumado, para se cumprir a Escritura, disse: Tenho sede! Estava ali um vaso cheio de vinagre. Embeberam de vinagre uma esponja e, fixando-a num caniço de hissope, lhe chegaram à boca."


Esta palestra faz parte de uma série sobre os momentos finais da vida Jesus antes de entregar Sua vida no Calvário. Lá podemos vê-Lo orando pelos Seus inimigos, prometendo vida ao pecador penitente, fazendo provisão para o futuro de Sua mãe e clamando ao Pai em meio às sombras do abandono.


No texto bíblico acima, percebemos que Ele não tem muito tempo mais de vida. As sombras que envolviam o Calvário desapareceram e a luz do sol começa a brilhar novamente. De repente ouvimos Seu lamento: "Tenho sede" e os soldados colocam um pouco de vinagre em Seus lábios.


Por que você acha que o Deus Todo-Poderoso, Criador dos Céus e da Terra e de todas as fontes das águas, pede de beber à pobre criatura humana? O que há por trás desse clamor?


É preciso entender primeiro que a morte de cruz era uma morte maldosa, cruel e sanguinária, preparada para os piores marginais. E quando falo de marginais, por favor, não pensem nos outros. Hoje eu peço que Deus me ajude a enxergar-me a mim mesmo, porque quem merecia morrer naquela cruz era eu. A Bíblia é bem clara em dizer que "o salário do pecado é a morte". Quem peca merece morrer. E quando volto os meus olhos para a história de minha vida, não tenho muita coisa boa para apresentar a Deus. Não se trata somente do que fiz, mas também do que não fiz. Por tudo isso, quem merecia morrer na cruz do Calvário, era eu, não Jesus. Mas Ele me amou tanto que deixou Sua glória celeste e veio a este mundo ocupar meu lugar e morrer por mim.


Por que, você crê que o Deus do Universo, Criador de todas as fontes, morre numa cruz miserável, suplicando por um pouco de água? Aqui está escrito com sangue o maravilhoso amor de Deus pela raça humana. Para entender isto, é preciso saber que o que Deus mais quer é viver em comunhão com o ser humano. Mas o homem sempre viveu fugindo e escondendo-se da presença de seu Criador. Assim foi desde o Éden. Quando Deus chegou ao jardim àquela tarde, o que mais doeu em Seu coração, não foi o fato de ver um fruto comido. O que partiu Seu coração foi o fato de que seu filho não corria mais aos Seus braços como das outras vezes. O filho querido agora tinha medo do Pai e se escondia.


O inimigo de Deus, de alguma maneira quer colocar na mente dos homens a idéia de que Deus é mau, castigador e vingativo; de que Deus está sentado em Seu trono com uma vara na mão, olhando para a terra, para ver quem é que se porta mal para castigá-lo. Dessa maneira, você começa a ficar com medo de Deus e passa a servi-Lo por temor. E pensa assim: "Se eu não me portar bem, Deus me castiga. Se eu não me portar bem, Ele vai levar meus négocios à falência, ou, meu filho pode sofrer um acidente. Então, tenho que me portar bem". E a gargalhada de satanás é ouvida no Universo inteiro porque se ele não puder levar você a viver uma vida completamente errada e distante de Deus, vai fazê-lo servir a Deus por medo, porque para o diabo viver longe de Deus, ou servi-Lo por medo é a mesma coisa. Por isso, desde o Éden ele colocou medo no ser humano. "Pequei, falhei, desobedeci, comi o fruto que Deus disse que era pra não comer, então tenho que me esconder para que Deus não me mate". E Adão e Eva se esconderam.


Querido, Deus não pode suportar que Seus filhos vivam longe dEle. Ele nos criou para viver uma vida maravilhosa de comunhão com Ele. Não pode suportar que Seus filhos corram dEle apavorados. Mas o que acontece? O inimigo colocou o medo na mente humana. O Pai vem, e o filho foge. O Criador se apresenta, e a criatura se esconde. O Pai quer abraçar, e o filho entra em pânico. O que fazer então para que o Deus eterno possa viver novamente em comunhão com o ser humano? É preciso que Deus se faça homem para alcançar o homem porque como Deus, não pode; o ser humano não quer, não aceita, tem medo, se esconde, foge. E aí vem o amor maravilhoso de Deus. Na pessoa de Jesus Cristo, Deus torna-Se homem como você e eu para alcançar-nos, para que nunca tenhamos a desculpa para dizer que Deus não pode nos compreender porque Ele é divino e nós somos humanos.


Quando Jesus exclamou na cruz do Calvário: "Tenho sede", estava expressando a Sua humanidade plena. Aí podemos ver Deus feito homem, plenamente homem ao ponto de ter sede.


Meu amigo, Deus se fez homem e na cruz do Calvário sentiu-Se abandonado por Seus melhores amigos e traído pelos seres que mais amava. Então hoje Ele pode dizer: "Filho, eu compreendo quando você é traído pelos seres que você mais ama. Quando você se sente rejeitado, abandonado e sozinho no mundo, Eu o compreendo porque me fiz homem para entender você". Quando você se sente injustiçado, ou condenado injustamente, Ele o olha e diz: "Eu o compreendo, olhe-Me pregado nesta cruz. Que mal Eu fiz? Mas estou aqui injustamente para que você nunca diga que Eu não sou capaz de compreendê-lo quando as pessoas cometem injustiça com você".


Será que você é alguém que por algum motivo não conheceu seu pai? Estou pregando neste momento para uma pessoa que, porque não conheceu seu pai cresceu revoltado com a vida? Os vizinhos falavam e diziam que seu nascimento era meio suspeito? Quero que pense em Jesus. Quando a virgem Maria se apresentou em seu bairro e disse: Estou grávida, mas este Filho é fruto do Espírito Santo. As pessoas não eram diferentes das de hoje. Imagine se sua filha se apresentasse amanhã no bairro e dissesse: Estou grávida, mas este filho é do Espírito Santo. Que pensariam as pessoas? Naquele tempo era igual. Jesus sabe o que é sentir-se condenado pela sociedade, porque as coisas não estavam muito claras em relação ao Seu nascimento.


Você se sente incompreendido? Jesus Se fez homem para poder alcançar você, para poder entendê-lo. Pregado na cruz Ele soube o que era a dor física e emocional. Por isso, se você está numa cadeira de rodas sem poder mexer-se, ou ir aonde quiser, saiba que Jesus foi pregado na cruz e sabe como você se sente. Você está no hospital sofrendo dores terríveis por causa desse câncer que está devorando a sua vida? Você não tem o direito de pensar que Deus se esqueceu de você, porque Ele se fez homem e na cruz soube o que é a dor física, o que é ter sede e ser caçoado. Já cuspiram em seu rosto? Cuspiram no de Jesus. Já cravaram uma coroa de espinhos em sua fronte? Fizeram isso com Jesus. Por que Ele não entenderia você? Por que não poderia entender a luta terrível que você está tendo em seu coração neste momento? Por que não poderia compreender os traumas e complexos que você carrega desde criança?


Quando Jesus disse: "Tenho sede", estava revelando Sua humanidade. Fez-Se homem para alcançar-me. Por quê? Às vezes olho para cima e penso: Meu Deus, quanto eu valho? Quanto eu significo para Ti, que deixaste tudo e vieste a este mundo? Que coisa há dentro de mim que valha tanto? E Jesus diz: "Não sei. O que sei é que você é a coisa mais linda que tenho nesta vida".


Um dia, Jesus foi a uma cidade chamada Samaria para procurar uma prostituta. A Bíblia nem sequer dá o nome desta mulher, simplesmente a chama de mulher samaritana. O texto Bíblico diz que Jesus assentou-se perto do poço, cansado da viagem para esperar aquela mulher. Deus não se cansa nem se fatiga. Por que Jesus se cansou? Ele se fez homem para alcançar o ser humano. A que ser humano? A uma senhora ilustre da sociedade? A uma Madre Tereza de Calcutá que viveu uma vida de inspiração e morreu fazendo tanta coisa linda em favor da humanidade? A um Betinho que consumiu sua vida tentando solucionar o problema da fome deste país?


Se fosse para esperar um ser humano tão maravilhoso como estes que acabo de mencionar, até que daria para entender, mas sabe, Jesus Se fez homem e Se cansou, para esperar uma prostituta, uma mulher que não tinha respeito pelo seu próprio corpo, e na perspectiva humana, não tinha muito valor.


Agora me diga uma coisa: Será que você tem o direito de pensar que para você não há saída? Se Jesus deixou tudo para se cansar, ter sede e morrer como um marginal, pregado na cruz, o teria feito se você não valesse a pena? Você acha que tem o direito de pensar que não há saída para seu caso porque está afundado no mundo das drogas? Acha que tem o direito de pensar que Jesus não o ama porque você é um pobre alcóolatra sem respeito próprio, amarrado e aprisionado a uma garrafa de cachaça? Acha que tem o direito de pensar que Deus não o ama porque você tem um vício do qual não pode se libertar?


Querido, Jesus deixou tudo e veio morrer neste mundo porque você é importante. Do jeito que você é, com esse caráter horrível que você tem, com esse temperamento mau que você carrega, com esse egoísmo, próprio da humanidade, com os vícios que o amarram, com os sentimentos que o perturbam, com os complexos que o atormentam, você é a coisa mais linda que Jesus tem nesta vida.


É por isso que Ele morre na cruz; é por isso que o Deus criador de todas as fontes pede de beber.


Outro ponto importante desta mensagem é que a morte de Cristo na cruz não deve encher nosso coração de tristeza, mas de esperança. Sabe por quê? Porque o clamor "Tenho sede" não foi somente o grito da necessidade humana de Cristo, mas também foi o grito da vitória. Vou explicar o que estou dizendo.


Um atleta que participa de uma corrida e que está com os olhos fixos na meta, não se lembra da dor nem da sede. Somente quando atinge seu objetivo é que as necessidades físicas passam a ter importância. O atleta só bebe um copo de água quando chega ao alvo. Amigos queridos, na cruz do Calvário, Jesus tinha uma meta: salvar o ser humano. E Jesus superou a dor, a fome e a sede. Superou tudo para conquistar a meta. O fato de Jesus lembrar-Se que estava com sede, me diz uma coisa: Jesus tinha completado a Sua missão.


Quando Ele disse "Tenho sede", queria dizer, "já fiz tudo o que era preciso para salvar o homem. Consegui meu objetivo, alcancei a meta. Agora dê-me água, porque cheguei ao alvo, terminei o que tinha de ser terminado". Sabe o que quer dizer isso? Que a sua vitória já está garantida; que a sua salvação é um fato concreto; que seus erros passados já foram pagos na cruz do Calvário; que o inimigo não tem mais o direito de atormentá-lo por causa de sua vida passada. Sabe o que quer dizer isso? Que a próxima vez que o inimigo, através de sua consciência, quiser atormentá-lo, você tem todo o direito de dizer: "Você não tem mais motivo para me atormentar porque, é verdade, pequei, mereço a morte; mas a dívida da minha culpa foi paga na cruz". Ninguém hoje tem o direito de ficar aí triste, pensando que não há solução.


Ao longo de minha vida tenho visto homens e mulheres de todos os tipos. Conheço prostitutas que deixaram o prostíbulo, correram aos braços de Jesus, e hoje são senhoras extraordinárias. Conheço homossexuais perdidos e acabados, que um dia caíram aos pés da cruz e disseram: "Senhor, estou perdido, confuso. Faz um milagre em mim", e poderia apresentá-los hoje vitoriosos, príncipes no Reino de Deus, perdoados e transformados.


Conheço ateus que não queriam saber de Deus; caçoavam e riam dEle, mas no íntimo eram vazios e angustiados. Um dia, porém, caíram aos pés da cruz e hoje poderia apresentá-los, pregando o evangelho de Jesus. Conheço lares completamente desfeitos, filhos para um lado, pais para outro, esposa e esposo numa guerra de nervos, mas que um dia o evangelho os alcançou e então caíram aos pés da cruz e hoje poderia apresentá-los unidos no amor maravilhoso de Jesus.


Não conheço uma pessoa que tenha ido a Jesus levando sua vida como estava e que tivesse voltado desapontada, porque quando Jesus disse "Tenho sede", estava dizendo que tudo o que era necessário fazer para salvar o ser humano, já estava feito. Agora é só uma questão de decidir.


Olhe para montanha e veja o Deus eterno, morrendo por você. Olhe Seu rosto cansado e sangrando. Mas olhe o brilho de Seus olhos. Ele acredita em você. Ele o espera com os braços abertos em forma de cruz. Por que não abrir o coração e dizer: "Senhor, Te aceito como meu Deus e o meu Salvador".

ORAÇÃO

Pai querido, às vezes é muito difícil entender Teu amor. Mas o que seria de nós se não tivesses nos amado ao ponto de fazer-Te homem na pessoa de Jesus para poder alcançar-nos? Por favor, Te suplico neste momento por tanta gente que sofre, que passa noites sem dormir, que se sente sem forças para seguir lutando. Toma-os em Teus braços de amor e abençoa-os, em nome de Jesus. Amém.


A SEXTA PALAVRA DE JESUS

PR. ALEJANDRO BULLÓN


"O texto para a mensagem de hoje está no evangelho segundo São João 19:28 a 30: "Depois, vendo Jesus que tudo já estava consumado, para se cumprir a Escritura, disse: Tenho sede! Estava ali um vaso cheio de vinagre. Embeberam de vinagre uma esponja e, fixando-a num caniço de hissope, lhe chegaram à boca. Quando, pois, Jesus tomou o vinagre, disse: Está consumado! E, inclinando a cabeça, rendeu o espírito."


Vamos analisar hoje a expressão: "Está consumado". Ela quer dizer: está acabado, está completado. Jesus veio a esta terra com um propósito. Qual foi o propósito de Jesus ao deixar a glória celeste, tomar a forma humana, nascer como uma criança e viver, sendo tentado em tudo para finalmente morrer na cruz?


Para entender isto temos que ir primeiro ao Jardim do Éden. Deus, o Pai, criou o mundo em seis dias. Criou o sol, as estrelas, a lua, o mar, o firmamento, as árvores, os animais e finalmente, na sexta-feira, Ele criou o ser humano. E aquele dia, ao pôr-do-sol, diz a Bíblia: Deus o Pai, contemplou a obra da criação e exclamou: Está tudo muito bom. Está completado, consumado. Está realizado o trabalho da criação e tudo é perfeito. Tudo está em seu lugar; tudo como deveria ser; um mundo perfeito e harmonioso, e o ser humano para desfrutar de felicidade em meio a essa criação sem defeito. Depois de contemplar a maravilhosa criação, Deus descansou no sábado, deixando assim para o homem, um dia especial de comunhão entre a criatura e o Criador.


Mas então, o inimigo de Deus, como se fosse uma criança mal-criada diante de um quadro recém-acabado e com a tinta fresca, vem e coloca a mão, e bagunça todo o quadro da criação. Num mundo onde não havia dor, ele coloca dor; onde não existia morte, ele coloca morte; onde não existia traição, coloca a traição.


O quadro maravilhoso da criação ficou todo arruinado. Agora há lágrimas, solidão, tristeza, morte, traição e desconfiança. O mundo está arruinado. Mas Deus não pode aceitar que as coisas fiquem pra sempre desse jeito. Ele não pode permitir que o ser humano que Ele criou com amor para ser feliz, viva num mundo de infelicidade, padecendo fome, sede, injustiça social, pobreza. Não, Deus não podia permitir isso e em Seus planos eternos já estava providenciada a obra maravilhosa da redenção.


Desta vez é Deus, o Filho, que se torna homem e vem a esta Terra para realizar o trabalho de restauração. O Filho tem que recriar, restaurar, redimir e salvar o que estava arruinado. E o Senhor Jesus inicia o Seu trabalho de restauração.


É um trabalho penoso, porque Ele vem ensinar o ser humano que é possível ser vitorioso em meio a um mundo turbulento. Por exemplo, uma noite, os Seus discípulos estavam num barquinho em meio à escuridão, sentindo que iam se afundar no mar da vida. O vento era contrário, as trevas densas, as ondas entravam no barquinho e eles lutavam inutilmente. Chegou um momento em que não podiam mais e estavam à beira do desespero e da loucura. Mas nesse momento Jesus apareceu andando no meio do mar e dizendo: "Filhos, neste mundo, muitas vezes vocês viverão horas tão difíceis que vos assaltará o pensamento de que tudo está perdido. Mas eu estou aqui, esta noite, para ensinar-lhes uma coisa: Nem tudo está perdido. Há esperança! O sol pode brilhar na meia-noite da vida. Quando você acha que já não tem mais forças para lutar, Eu estarei presente e ajudarei você a tornar-se vitorioso".


Será que você é alguém que está vivendo a noite mais escura da sua vida? Seu relacionamento familiar tem chegado a um ponto que você acha que humanamente não pode fazer mais nada? O relacionamento com seu filho está chegando a um ponto em que você não acha mais solução?


Outro dia um pai me abraçou chorando, desesperado e disse: "Pastor, eu não posso fazer mais nada para ajudar meu filho. Quando pequenino, eu o trouxe a esta igreja para apresentá-lo a Deus. Mas ele cresceu, andou por seus próprios caminhos e ficou viciado nas drogas. A droga custa muito e ele não tem emprego. Então, para arrumar dinheiro começou a vender droga. E a poucos dias, trocou tiros com a polícia. Um tiro atravessou a sua coluna e agora está no hospital. Ele nunca mais vai andar. Ficará paraplégico pelo resto de sua vida. E se sair do hospital, irá para a prisão. Pastor, já fiz de tudo. Eu não posso fazer mais nada por esse filho. Acabou. Estou cansado de lutar."


Lá na escuridão do mar, os discípulos estavam cansados de lutar e Jesus apareceu para dizer: "Quando você não tem mais forças, Eu ainda posso aparecer. Estou falando hoje para alguém que está atravessando um terrível problema financeiro? Segunda-feira vai estourar uma promissória e você não sabe o que fazer para conseguir o dinheiro? Está cansado de lutar? Dê uma oportunidade a Jesus."


Estou falando para alguém que está condenado à morte por um câncer? A diabetes já não tem mais solução humanamente? Você já está perdendo a visão? A diabetes está tirando outras funções do seu organismo? Quando parece que tudo está perdido, ainda resta a oportunidade maravilhosa de Deus.


Jesus veio a esta Terra para cumprir uma missão: ensinar-nos que embora vivamos num mundo onde o pecado anda solto, machucando, ferindo e destruindo vidas, nem tudo está perdido para aqueles que acreditam em Nele.


Ele cumpriu Sua missão. Encontrava um leproso, com sua pele caindo aos pedaços, e o toque maravilhoso de Sua mão deixava a pele desse leproso como a de uma criança recém-nascida. Com isso, Jesus estava dizendo que se alguma vez em sua vida espiritual, sua pele estiver caindo aos pedaços, podre pela lepra maldita do pecado, pode ir a Jesus e o toque maravilhoso de Sua mão o fará um novo ser, uma nova criatura, o purificará e o limpará.


Jesus encontrou um dia um cego que nunca tinha enxergado a beleza de uma flor; o toque maravilhoso de Sua mão abriu os seus olhos. Isso quer dizer que se neste mundo você não consegue fazer diferença entre as coisas certas e as coisas erradas da vida, se você é um cego espiritual, pode ir a Ele e Sua mão maravilhosa abrirá seus olhos e lhe mostrará uma nova dimensão da vida.


Ele encontrou outro dia uma mulher pecadora que passava de mão em mão por todos os homens da cidade. E Jesus lhe devolveu a dignidade e o respeito próprio. Ele veio a este mundo para restaurar o que o inimigo tinha deteriorado, para recriar, para salvar, para devolver a esperança. Mas para isso era preciso pagar o preço da culpa humana, porque se o homem pecou, tinha que morrer. Não havia outro caminho. O ser humano não queria morrer, mas se existiu pecado, tinha que haver morte. Como solucionar este problema? Alguém tinha que morrer. Só que Deus não pode morrer porque é Deus. Então Ele teve que se fazer homem para poder morrer. Nenhuma criatura, incluindo os anjos, podia morrer pra salvar o homem, porque nenhuma criatura tem vida própria. A única pessoa que podia morrer para salvar o homem era alguém que tivesse vida em si e que ao mesmo tempo pudesse morrer. Assim, o pecado seria pago. A dívida humana seria paga e o homem poderia receber a salvação de graça. Por isso, Deus teve que se fazer homem e teve que morrer na pessoa de Jesus.


Éramos nós que merecíamos que nos cuspissem no rosto. Éramos nós que merecíamos que nos colocassem uma coroa de espinhos. Éramos nós que merecíamos as chicotadas nas costas até sangrar. Éramos nós que merecíamos morrer pregados numa cruz. Fomos nós que fizemos as coisas erradas. Em Jesus, ninguém encontrou um pecado. Ele nunca fez nada errado; Ele não tinha porquê morrer. Mas já que nós não queríamos morrer, alguém teria que morrer em nosso lugar.


Ele morreu, e com Sua morte, terminou Sua obra de salvação, sofreu tudo o que podia sofrer, ensinou tudo o que podia ensinar, mostrou o caminho da salvação e uma sexta-feira à tarde Deus, na pessoa de Jesus, pregado na cruz do Calvário, olha para o quadro restaurado, salvo, reintegrado, refeito, agora o homem não está condenado só a viver num mundo de infelicidade; agora ele tem uma saída. Jesus, lá da cruz, vê a obra de redenção terminada e exclama: "Está tudo muito bom. Está completo. Está consumado!" Então morre. No sábado, descansa na tumba, mostrando-nos que ainda resta um dia de repouso depois do Calvário.


Queridos, tudo o que Jesus precisava fazer para salvar-nos está feito. Não precisamos fazer mais nada. O ser humano, porém, por algum motivo, não aceita nada que é de graça. Se eu lhe der de presente neste momento um carro zero quilômetro, último modelo, você vai olhar pra mim e vai pensar: "O que ele vai me cobrar depois?" porque neste mundo aparentemente ninguém entrega nada de graça.


Vivemos num mundo em que temos que pagar por tudo. Se vamos a uma loja comprar um terno e vemos que custa 30 reais, não compramos e começamos a pensar: "Não pode ser. Se está tão barato é porque não presta", porque vivemos num mundo no qual as coisas que valem, custam muito. Estamos acostumados a pagar, e quanto mais caro pagamos, temos a impressão de que adquirimos o que é melhor. Se alguém nos oferece uma viagem à Europa por 500 dólares, imediatamente começamos a imaginar: Em que tipo de avião será que vão nos levar? Por que tão barato? Não pode ser. Agora, se for 3 mil dólares, aí tem que ser bom. Porque vivemos num mundo em que se paga por tudo.


Por isso, é difícil acreditar que se vivemos mal a vida toda, se andamos em pecado e caímos em miséria, de repente podemos ser salvos de graça, sem pagar nada, sem dar um centavo. É inacreditável!


Um evangelista estava recolhendo sua tenda depois de uma campanha evangelística quando chegou um homem e lhe fez uma pergunta: "Pastor, que devo fazer pra ser salvo?" O pastor continuou embrulhando sua tenda e disse: "Ah, rapaz, você chegou tarde demais". O rapaz ficou bravo e reclamou: "O senhor não acha que está sendo muito petulante ao dizer que eu cheguei tarde? O senhor acha que era na sua tenda que se encontrava a salvação? Eram suas palestras donas da salvação?" E o pastor continuou: "Você não entendeu, filho. Se quiser fazer algo para salvar-se, chegou dois mil anos atrasado, porque tudo o que era necessário fazer para salvar-se, já foi feito na cruz do Calvário. Você tem somente que aceitar. Não há nada que você possa fazer."


Quer dizer que o homem não tem nenhuma responsabilidade quanto a salvação? Tem sim, e sabe qual é? Tem que dizer "sim"; tem que abrir o coração, aceitar, porque Jesus não pode fazer nada por você se você não quiser. De que serve a penicilina se a pessoa que está morrendo com uma infecção, não aceita o remédio? Está tudo providenciado. Alguém pagou o preço pra descobrir a penicilina. Aí está o remédio pronto. Mas não vale nada para o doente que não reconhece que está doente e não quer ir ao médico e que não aceita o remédio.


Amigo querido, a salvação da raça humana está providenciada na cruz do Calvário. Está tudo feito, tudo pago, consumado. Mas isso não vale nada para você se você não aceitar, se você não reconhecer que precisa e não correr aos braços de Jesus.


Imagine que você deva 10 mil reais. Não sabe o que fazer, não sabe para onde ir. Segunda-feira você tem que pagar dez mil reais ao Banco. De repente, chega um amigo com o comprovante de que sua dívida está paga. Está aqui, seus dez mil reais estão pagos. O que você precisa fazer para não dever mais ao banco? Simplesmente aceitar. Agora, se você não aceitar, ninguém pode fazer nada por você. Quando Jesus morreu crucificado com os braços abertos, queria dizer: "Filho, estou aqui de braços abertos esperando por você. Venha a Mim enquanto pode vir. Não importa se você já falhou uma ou mil vezes. Nunca pense que para você não há mais chance."


Amigo, você e eu merecemos morrer, mas um dia, Jesus subiu à montanha do Calvário. Era difícil. Era tão difícil que na véspera, no Getsêmani, Jesus disse: "Pai, tenho medo de morrer. Se puderes passa de mim este cálice". Mas o Pai disse: "Filho, alguém tem que morrer para salvar o ser humano". E Jesus, olhando para você disse: "Está bom. Eu amo você. E não importa o que eu tenha que sofrer, se é para salvar você, sofro."


Ele sofreu em nosso lugar. Pregaram Seus pés e Suas mãos. Colocaram uma coroa de espinhos em Sua fronte, cuspiram em Seu rosto, bateram Nele. Zombaram, caçoaram, xingaram-No e em silêncio suportou tudo. Então você não tem o direito de dizer que está perdido. Lá da cruz Ele exclamou: "Está feito. Está consumado!" Só resta você aceitar.


Abra seu coração agora. Aceite! Jesus está esperando.

ORAÇÃO

Querido Pai, obrigado porque na cruz do Calvário foi pago o preço de nossa transgressão. Nunca teremos palavras para Te agradecer, mas muito obrigado pela paz da reconciliação que colocas em nosso coração. Em nome de Jesus. Amém.


A SÉTIMA PALAVRA DE JESUS

PR. ALEJANDRO BULLÓN


"O texto para a mensagem de hoje está no evangelho de São Lucas 23, a partir do verso 44: "Já era quase a hora sexta e, escurecendo-se o sol, houve trevas sobre toda a terra até à hora nona. E rasgou-se pelo meio o véu do santuário. Então Jesus clamou em alta voz: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito! E, dito isto, expirou." (S. Lucas 23:44 a 46).


Estas são as últimas palavras de Jesus. Sua missão está chegando ao fim. Suas últimas palavras são: "Pai, nas Tuas mãos entrego o meu espírito."


Dizem que as pessoas geralmente morrem do jeito que vivem. A vida de Cristo foi uma vida de entrega, de dependência e de submissão. E é justamente isso que faz antes de morrer. "Pai - ele diz - Nas Tuas mãos entrego o meu espírito".


Sua vida vitoriosa, Seus atos vitoriosos, tudo, foi um resultado de uma vida de dependência do poder de Seu Pai. Que diferença da vida de auto-suficiência que às vezes nós vivemos!


Ouvi a história de alguém que nasceu pobre e fez uma grande fortuna vendendo sanduíches de presunto. Ele começou vendendo pão com presunto na rua, depois, comprou uma carrinho pequeno, e assim foi comprando outro e mais outro carrinho, até conseguir uma lanchonete, que teve sua filial, etc. Finalmente, quando morreu, tinha mais de cem lanchonetes. Fez-se milionário vendendo pão com presunto. Mas um dia entrou em coma e na hora da morte, suas últimas palavras foram:


- Por favor, cortem o presunto bem fino.


A vida toda desse homem girou em torno do presunto; e finalmente morreu pensando no presunto. A vida de Jesus foi completamente diferente. Sua vida foi sempre uma vida de entrega e morreu do jeito que viveu. Queira Deus que quando chegarmos ao fim de nossa existência, as nossas palavras revelem o que foi a nossa vida.


A essa altura quero lhe fazer uma pergunta: Se você tivesse que resumir todo o processo da salvação numa só palavra, que palavra usaria? Evangelho, Jesus, perdão, justificação, santificação? Que palavra você usaria?


Um dia, o jovem rico chegou a Jesus e perguntou: "Mestre, que farei eu de bom, para alcançar a vida eterna? Respondeu-lhe Jesus: "...guarda os mandamentos".(Mateus 19:16 e 17)


Esse mesmo Jesus, em São João 6:47 diz: "Em verdade, em verdade vos digo: Quem crê, tem a vida eterna." (S. João 6:47).


Aqui encontramos uma aparente contradição. Para ter a vida eterna, é preciso guardar os mandamentos ou crer em Jesus? Se isto não ficar claro, os cristãos vão se dividir em dois grandes grupos: aqueles que acham que o segredo da vida eterna é crer em Jesus, e aqueles que acham que o segredo da vida eterna é guardar mandamentos.


Mas amigo, Jesus não veio para dividir os Seus filhos. Como podemos então entender que da boca de Jesus saíram ambas declarações? O que Jesus estava querendo dizer? Vamos à segunda declaração. Quando Ele disse: "Quem crê, tem a vida eterna". (João 6:47). Ele fala também: "Este é o pão que desce do céu..." (João 6:50). Ele diz mais: "...Se não comerdes a carne do Filho do homem e não beberdes o seu sangue, não tendes vida em vós mesmos." (João 6:53).


Você precisa crer para ser salvo. Precisa crer para ter vida eterna. Mas além disso, precisa comer Seu corpo e beber Seu sangue. Aqui há duas figuras de linguagem interessantes: comer e beber.


Coloque um bocado de pão na boca e me diga: Quanto do pão você come? Coloque um gole de água na boca e me diga: Quanto dessa água você bebe? A resposta é simples; toda. O pão todo que você coloca na boca, a água toda. Quer dizer, que se você crer em Jesus, é necessário crer em tudo. Não pode crer parcialmente. Deve haver uma entrega completa. Seu corpo, sua alma, seu espírito, sua mente, suas emoções, tudo, tudo. É necessário crer, mas não basta crer da boca para fora.


São Tiago diz no capítulo 2, verso 19:"... Até os demônios crêem e tremem." (Tiago 2:19).


Mas eles não serão salvos, sabe por quê? Porque eles crêem parcialmente. Veja o que Jesus está dizendo: "Se você quiser ter a vida eterna, creia, mas coma a Minha carne e beba o Meu sangue." Quer dizer, creia em tudo, creia completamente, creia por inteiro.


Agora vamos entender o que Jesus disse para o jovem rico: "Se queres, porém, entrar na vida eterna, guarda os mandamentos." (Mateus 19:17).


O jovem ficou confuso com essa declaração; não compreendeu. Por que você acha que Jesus disse algo semelhante? Porque Jesus foi um grande Mestre! Ele trabalhava com as pessoas levando-as do conhecido para o desconhecido. E aquele jovem rico havia crescido numa igreja que só pensava em mandamentos. Tudo o que ele conhecia eram mandamentos.


Jesus quis levar aquele jovem ao desconhecido, ao terreno da fé. Só que tinha que levá-lo a partir do conhecido. E como tudo o que ele conhecia era a lei, Jesus começou por aí. E o jovem afirma: "Tudo isso tenho observado..." (Mateus 19:20).


E Jesus lhe diz: "...Se queres ser perfeito, vai, vende os teus bens, dá aos pobres, e terás um tesouro no céu; depois vem, e segue-me." (Mateus 19:21).


O que Jesus está tentando dizer é: "Filho, você tem que entregar tudo, se quiser ter vida eterna".


Para entender melhor este assunto, temos que ler Marcos capítulo 10, onde está a história do jovem rico. Um pouco antes, no verso 13 deste capítulo, é registrada a história de quando as criancinhas corriam aos braços de Jesus e os discípulos não as repreendiam. Então Jesus disse: "Deixai vir a mim os pequeninos, e não os impeçais; porque dos tais é o reino de Deus." (Marcos 10:14).


Depois tomou uma criança e disse: "...Quem não receber o reino de Deus como uma criança, de maneira nenhuma entrará nele." (Marcos 10:15).


Minutos mais tarde, disse ao jovem rico: "Vende tudo o que tens... e segue-me". Mas o que quer dizer tornar-se como uma criança?


Às vezes pensamos que, se queremos entrar no Reino dos Céus temos que nos tornar como crianças, quer dizer, temos que nos tornar inocentes, puros e limpos. Mas um adulto também pode ser puro, limpo e honesto. Pureza não é patrimônio das crianças. O que Jesus está querendo dizer é que para entrar na vida eterna temos que aceitar Jesus como uma criança? Esta é uma ilustração maravilhosa. A criança é completamente dependente.


Pense em seu filhinho de 1 ano que quer comer sozinho. Ele n&ati

Category: